Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O líder do partido recém-formado Unidade Popular, na Grécia, garante que tirar o país da zona euro “seria tão fácil quanto beber um copo de água” e que o novo dracma não sofreria mais do que uma “desvalorização pequena e limitada“. Panagiotis Lafazanis, que foi ministro da Energia neste governo mas que liderou a revolta interna no Syriza contra Alexis Tsipras, insurge-se contra a “cultura do medo” que, diz, está a ser imposta às pessoas.

A Unidade Popular, constituída por vários deputados do Syriza que se revoltaram contra Alexis Tsipras após a assinatura do acordo para o terceiro resgate, não deverá levar mais do que 4% dos votos nas eleições de 20 de setembro. Isto de acordo com as sondagens reveladas nos últimos dias na Grécia. O partido recém-formado está longe do terceiro lugar ambicionado por Lafazanis, que não esconde que a Grécia teria, claramente, de sair do euro para levar o seu programa em diante.

O baixo resultado nas sondagens estará relacionado, sugere Lafazanis, com a “cultura do medo” e a demonização daquilo que seriam as consequências de uma saída do euro e um regresso ao dracma. “Nunca houve uma discussão aberta sobre esta questão”, diz o ex-ministro de Tsipras, acrescentando, em declarações aos jornalistas em Atenas, que “a dívida não é sustentável e tem de ser perdoada em parte ou na íntegra”.

Sair do euro, algo que foi admitido pelos ministros das Finanças na reunião de 12 de julho (em antecipação à cimeira do euro decisiva), seria uma “decisão política” e não um “desafio técnico”. Lafazanis diz que, se for eleito chefe do governo, irá convocar um referendo à permanência na zona euro perante os prováveis “obstáculos” que os parceiros europeus colocariam no seu caminho.

O líder da Unidade Popular não quer que as pessoas “tenham medo” da saída do euro e pede-lhes para ignorarem a “cultura do medo” promovida pelos “quatro partidos que começaram a cooperar logo com a votação do terceiro resgate”. Esses partidos são o Nova Democracia, o Pasok, o To Potami e “o que resta do Syriza”, diz Lafazanis.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR