A força política vencedora perdeu votos em todos os distritos, quando se comparam os resultados das eleições legislativas de 2011. A sul, no Algarve, foi onde a PàF perdeu mais votos. De forma oposta, foi em Braga que a perda foi menos acentuada.

Em relação a 2011, a coligação Portugal à Frente (PàF), que concorreu como coligação apenas no continente, perdeu a maioria absoluta nas eleições legislativas. Mas a variação (negativa) de votos da força política de direita variou conforme os distritos. Foi no Algarve que mais perdeu: menos 18,3 pontos percentuais que em 2011. Por outro lado, no global deste distrito, quem mais ganhou foi o Partido Socialista (PS), que aumentou quase 10 pontos percentuais.

Variaçao da Coligaçao

Variação de votos por círculo eleitoral

Embora esta quebra da coligação no distrito algarvio tenha sido generalizada, as perdas mais altas registaram-se nos concelhos de Lagoa e de Vila do Bispo, com menos 19,9 pontos percentuais e 19,6, respetivamente. Em sentido contrário, o PS foi o partido com maior aumento nestes concelhos, em relação a 2011: em Lagoa cresceu 9,6 pontos e em Vila do Bispo 11,3.

Portalegre e Setúbal foram os distritos em que, a seguir ao Algarve, a coligação perdeu mais votos. No primeiro sofreu uma quebra de 15 pontos percentuais e em Setúbal de 14,6. Nestes distritos, o PS obteve mais 10 e 7,2 pontos, respetivamente.

Por outro lado, Braga foi o distrito em que a coligação menos perdeu – a quebra ficou-se pelos 4,8 pontos. Aqui, quem mais votos obteve em relação a 2011 foi o Bloco de Esquerda (BE), que somou mais 4,6, ou seja, ganhou quase tanto como a PàF perdeu. Esta tendência reflete-se, também, no concelho bracarense em que a coligação menos sofreu: Fafe, com apenas 2,2% dos votos a menos. Neste concelho, também foi o BE que mais saiu a ganhar, com mais 4,5 pontos percentuais em votos que há quatro anos. Em Fafe, ao contrário da tendência generalizada de subida, o PS também ficou na zona negativa: menos 3,9, uma quebra mais acentuada que a da coligação de direita.

Em comparação com Braga, os dois distritos seguintes em que a PàF menos perdeu registaram quebras relativamente altas: em Vila Real houve menos 9,1 pontos percentuais dos votos, em relação a 2011, e em Aveiro perdeu 9,2.

Desta variação negativa para o lado da coligação Portugal à Frente, quem saiu a ganhar foi o Partido Socialista e Bloco de Esquerda. Em comparação a 2011, o partido liderado por António Costa foi o que mais ganhou em Bragança, Algarve, Portalegre, Coimbra, Santarém, Lisboa, Setúbal, Vila Real, Évora, Beja e Guarda. Já o partido de Catarina Martins foi amealhou mais votos, em relação há quatro anos, nos distritos de Braga, Viseu, Porto, Aveiro, Leiria e Castelo Branco. Em Viana do Castelo, os dois partidos de esquerda obtiveram um aumento igual: 3,6.

O PS só perdeu votos em Braga

O Partido Socialista, num cenário quase totalmente oposto ao da coligação Portugal à Frente, aumentou o número de votos em 17 distritos, comparando com 2011. Só faltou Braga, onde perdeu 2 pontos percentuais em relação aos votos obtidos há quatro anos. Braga tem a fama de acertar no resultado das eleições. Por exemplo, em 2011, a nível nacional, ganhou o PSD, um dos partidos da coligação, e também em Braga ganhou o PSD. Nas legislativas anteriores, as de 2009, o PS ganhou em Braga. E também ganhou a nível nacional. No distrito, mesmo tendo perdido votos em relação a 2011, a força política mais expressiva nestas legislativas foi a PàF. Contrariamente, o partido que mais aumentou o número de votos neste distrito do Norte, em 2015, foi o Bloco de Esquerda, com mais 4,6 pontos.

Por outro lado, onde o Partido Socialista aumentou os seus votos de forma mais expressiva foi no círculo eleitoral mais pequeno do continente: Portalegre, distrito em que ganhou 10 pontos percentuais em relação a 2011. E as freguesias portalegrenses onde essa expressão do PS ficou mais consolidada foram Alter do Chão, com mais 13,2 pontos percentuais, e Crato, com mais 12,8. Nestas duas freguesias a Pàf perdeu 17 e 13,7 pontos percentuais.

Algarve (9,8 pontos) e Bragança (8 pontos percentuais) foram os outros dois distritos em que o PS mais conseguiu aumentar os votos, comparativamente a 2011.

Pode consultar estes e outros dados sobre a variação de votos por partido nos nossos gráficos interativos AQUI.

Ilustração: Milton Cappelletti

*Editado por Helena Pereira