Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

António Ricciardi – ex-presidente não executivo da Espírito Santo Interntional (ESI) e pai de José Maria Ricciardi – teve de prestar declarações ao Ministério Público sobre a dívida da ESI. A notícia é avançada pela edição desta sexta-feira do Diário Económico.

O “comandante” – como era chamado -, com 95 anos, foi ouvido no âmbito da investigação à colocação de papel comercial das holdings do Grupo Espírito Santo, ESI e Rio Forte, junto dos clientes do BES. As autoridades procuram apurar as responsabilidades pela manipulação das contas. Afinal, quem é que tomou as decisões?

António Ricciardi era presidente da ESI e liderava um conselho de administração composto por 17 elementos, entre os quais Ricardo Salgado, Jorge Espírito Santo ou José Maria Ricciardi. De acordo com o que foi noticiado pela Visão, António Ricciardi atribui responsabilidades a Ricardo Salgado, mas este tem negado que tenha dado instruções para manipular as contas.

Existem cerca de 2.500 clientes do BES que foram lesados em 527 milhões de euros, por terem colocado as suas poupanças em papel comercial das holdings do Grupo Espírito Santo, sem saberem.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR