538kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

Governo de esquerda? PS recupera Portas de 2011

Este artigo tem mais de 5 anos

Em 2011, num debate com Passos, Portas dizia que o importante era a direita conseguir maioria, mesmo que o PS tivesse mais votos. Direção do PS pôs vídeo a circular. Mas nem tudo é comparável.

i

Steven Governo

Steven Governo

Afinal, a estratégia do secretário-geral do Partido Socialista, António Costa, de formar um Governo com apoio parlamentar, mesmo depois de perder as eleições, não é assim tão original. Já em 2011 Paulo Portas, o líder do CDS-PP, dizia, num debate com Passos Coelho, que o mais importante para a formação do Governo seria a direita conseguir maioria absoluta — e não o PS ter mais votos. O vídeo desse debate foi agora reencontrado pela direção do PS – o posto a circular dentro e fora do partido, para reforçar a tese de Costa de que tem direito, agora em 2015, a ir para o Governo.

AHAHAHAHAHAHA - Atirem-se para o chão a rir.Paulo Portas a lixar toda argumentação actual da direita em 2011 no debate com...Passos Coelho.Conhecem aquela expressão...fo...este-te?

Posted by Paulo Mendes on Sexta-feira, 9 de Outubro de 2015

O que dizia Portas, nesse debate de 2011? “A questão, depois de o Presidente da República ter dito que só dá posse a um governo com apoio maioritário, é saber como é que se forma uma maioria e uma maioria não se forma com o PSD com 40% e o CDS com 10%, também se forma e era bem melhor para o país com o CDS com 23,5% e o PSD com 23%”.

O líder do CDS-PP deixou claro que na formação do Governo não era determinante se o PS tivesse mais votos, mas se direita teria maioria absoluta. Assim, governaria.

O vídeo começou a circular depois de ainda esta semana, em entrevista ao Diário de Notícias, o eurodeputado centrista Nuno Melo ter dito que um governo PS, PCP e BE seria um golpe “PRECiano”. Mas Nuno Melo usa um argumento adicional, para além da existência ou não de uma maioria parlamentar – ao caso, a integração num bloco governativo do PCP e Bloco, contra o euro e anti-NATO.

“Quando António Costa considera indispensável a clarificação das posições publicamente assumidas pelo PCP e pelo BE sobre a existência de condições para a formação de um novo governo com suporte parlamentar maioritário, obviamente denuncia a sua vontade de formar governo com PCP e Bloco, o que se traduziria numa rutura absoluta com o papel histórico do PS, abrindo a porta a uma extrema-esquerda, que entre outras coisas, não se revê no projeto da União Europeia e deseja a saída de Portugal da zona euro. Isso seria uma espécie de golpe de Estado “PRECiano”, afirmou Nuno Melo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.