292kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Poupe na sua eletricidade com o MEO Energia. Simule aqui.

Governo de esquerda? PS recupera Portas de 2011

Este artigo tem mais de 5 anos

Em 2011, num debate com Passos, Portas dizia que o importante era a direita conseguir maioria, mesmo que o PS tivesse mais votos. Direção do PS pôs vídeo a circular. Mas nem tudo é comparável.

i

Steven Governo

Steven Governo

Afinal, a estratégia do secretário-geral do Partido Socialista, António Costa, de formar um Governo com apoio parlamentar, mesmo depois de perder as eleições, não é assim tão original. Já em 2011 Paulo Portas, o líder do CDS-PP, dizia, num debate com Passos Coelho, que o mais importante para a formação do Governo seria a direita conseguir maioria absoluta — e não o PS ter mais votos. O vídeo desse debate foi agora reencontrado pela direção do PS – o posto a circular dentro e fora do partido, para reforçar a tese de Costa de que tem direito, agora em 2015, a ir para o Governo.

AHAHAHAHAHAHA - Atirem-se para o chão a rir.Paulo Portas a lixar toda argumentação actual da direita em 2011 no debate com...Passos Coelho.Conhecem aquela expressão...fo...este-te?

Posted by Paulo Mendes on Sexta-feira, 9 de Outubro de 2015

O que dizia Portas, nesse debate de 2011? “A questão, depois de o Presidente da República ter dito que só dá posse a um governo com apoio maioritário, é saber como é que se forma uma maioria e uma maioria não se forma com o PSD com 40% e o CDS com 10%, também se forma e era bem melhor para o país com o CDS com 23,5% e o PSD com 23%”.

O líder do CDS-PP deixou claro que na formação do Governo não era determinante se o PS tivesse mais votos, mas se direita teria maioria absoluta. Assim, governaria.

O vídeo começou a circular depois de ainda esta semana, em entrevista ao Diário de Notícias, o eurodeputado centrista Nuno Melo ter dito que um governo PS, PCP e BE seria um golpe “PRECiano”. Mas Nuno Melo usa um argumento adicional, para além da existência ou não de uma maioria parlamentar – ao caso, a integração num bloco governativo do PCP e Bloco, contra o euro e anti-NATO.

“Quando António Costa considera indispensável a clarificação das posições publicamente assumidas pelo PCP e pelo BE sobre a existência de condições para a formação de um novo governo com suporte parlamentar maioritário, obviamente denuncia a sua vontade de formar governo com PCP e Bloco, o que se traduziria numa rutura absoluta com o papel histórico do PS, abrindo a porta a uma extrema-esquerda, que entre outras coisas, não se revê no projeto da União Europeia e deseja a saída de Portugal da zona euro. Isso seria uma espécie de golpe de Estado “PRECiano”, afirmou Nuno Melo.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.