Afinal, o software que manipula a emissão de gases poluentes pode ter sido instalado em mais veículos do grupo Volkswagen do que o que foi inicialmente apontado pela companhia. A empresa alemã está a investigar agora veículos equipados com o motor EA 288, que ainda seguem as normas Euro 5.

Um porta-voz da companhia automóvel, citado pela Agência alemã DPA, confirmou que a empresa “está a estudar detalhadamente” outros veículos construídos depois de 2012, com motor EA 288, e que seguem as normas Euro 5, sem avançar com números. A empresa reitera porém que os veículos com motores que obedecem já às normas Euro 6 – fabricados a partir de 2014 – não foram afetados.

A confirmar-se o cenário, o número de carros afetados pelo “kit fraudulento” ultrapassará os 11 milhões de carros em todo o mundo, que foram contabilizados pela companhia.

Três milhões de carros podem precisar de alterações profundas

O CEO Matthias Müller já tinha avisado e agora a Volkswagen confirmou que há carros que vão precisar de alterações profundas.

Só na Europa, três dos 8,5 milhões de carros que vão ser recolhidos (com motor 1.6), a partir de janeiro de 2016, vão precisar também de alterações ao nível do hardware, noticia a Bloomberg.

Estas novidades chegam, um dia depois de o CEO da Volkswagen ter reconhecido que este escândalo das emissões afinal irá custar mais do que os 6,5 mil milhões de euros que a empresa colocou de parte para suportar os custos. É que este valor tinha apenas em conta as reparações e poderá ser preciso mais dinheiro para as indemnizações e processos judiciais.

Vendas de automóveis suspensas

Também na quarta-feira, o grupo automóvel anunciou que iria suspender a venda de carros a gasóleo novos que possam ter sido afetados pelo escândalo das emissões, embora isto já estivesse a ser posto em prática, como confirmou a SIVA para Portugal.

Desde o fim de setembro que a venda de mais de 200 novos veículos a gasóleo do grupo Volkswagen está suspensa, garantiu a SIVA, importadora das marcas do grupo.

Na semana passada, o ministro da Economia, António Pires de Lima, disse que existem em Portugal 102.140 veículos das marcas Volkswagen, Audi e Skoda, com o “kit fraudulento” que distorce a emissão de gases poluentes, mais cerca de 15.000 veículos da marca Seat.

A 18 de setembro ficou-se a saber que a Volkswagen tinha equipado veículos com um dispositivo que permite a manipulação de informação relativa a emissões poluentes. A marca revelou que haveria 11 milhões de carros nestas circunstâncias em todo o mundo.