Um governo que venha a ser liderado por António Costa garante que a TAP não será privatizada. Serão encontradas “formas” de capitalizar, modernizar e assegurar o desenvolvimento da empresa, garante o programa técnico acordado por Partido Socialista, Bloco de Esquerda, Partido Comunista Português e Partido Ecologista Os Verdes. A formulação é equivalente à que existia no programa eleitoral do PS.

“Uma ferramenta de primeira ordem para a projeção internacional de Portugal é a sua companhia aérea de bandeira, a TAP, que é um veículo fulcral de ligação à África lusófona, ao Brasil, aos principais destinos da emigração portuguesa e à promoção da internacionalização da economia portuguesa”, pode ler-se no programa.

Assim, “o governo não permitirá que o Estado perca a titularidade sobre a maioria do capital social da TAP, encontrando formas – designadamente através de uma efetiva ação junto das instituições europeias e do mercado de capitais – de capitalizar, modernizar e assegurar o desenvolvimento da empresa, ao serviço dos portugueses e de uma estratégia de afirmação lusófona”.

Leia mais sobre o programa do governo que o PS quer liderar neste texto.

Em maio, o Observador falou com investidores e analistas para tentar antecipar as hipóteses de uma venda de apenas parte do capital da TAP em bolsa, não descendo para menos de 51%. A conclusão: “Podem esquecer“.