Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O FBI intercetou uma série de conversas online, trocadas em 2013 entre Syed Rizwan Farook e Tashfeen Malik, o casal responsável pelo tiroteio que vitimou 14 pessoas em San Bernardino, Califórnia. Já nessa altura, quando ainda não eram casados e a mulher ainda não estava no Paquistão, os dois falavam sobre a jihad e atos suicidas, tendo mesmo chegado a planear um outro ataque por volta de 2012 – altura em que o Estado Islâmico ainda não estava em grande atividade no Médio Oriente.

“A inspiração do Estado Islâmico pode ter tido alguma coisa a ver com o caso, mas estes dois assassinos já tinham começado a radicalizar o seu discurso sobre a jihad antes de 2013”, concluiu esta quarta-feira o diretor do FBI, James Comey, durante um depoimento perante o comité judiciário do Senado norte-americano, citado pelo Washington Post. “Isto foi antes de o Estado Islâmico ter-se tornado a organização global que é hoje”, acrescentou.

Os novos dados, que ajudam a encadear os acontecimentos que levaram ao tiroteio da Califórnia, sugerem precisamente que os dois já planeavam ações violentas antes de o Estado Islâmico ter massificado a sua ação e ter começado a inspirar simpatizantes a desencadear ataques no mundo ocidental. E levantam questões sobre a atribuição a Tashfeen Malik do visto de entrada nos EUA um ano antes do tiroteio.

De acordo com o diretor do FBI, o casal pode ter-se inspirado em grupos extremistas estrangeiros mas não há provas claras de que o ataque tenha sido ordenado pelo Estado Islâmico. “Estamos a trabalhar muito para perceber quem os ajudou, quem lhes forneceu os equipamentos e se tinham outros planos”, disse. Para já, permanecem as dúvidas.

O tiroteio de San Bernardino foi visto desde sempre como um ataque diferente dos tiroteios do mesmo tipo que ocorrem com alguma frequência nos EUA. Naquele dia 2 de dezembro, o casal Syed Farook, de 28 anos, e Tashfeen Malik, de 27, deixaram o filho de seis meses em casa e entraram numa festa de Natal da administração local, armados, disparando contra a assistência. Morreram 14 pessoas e outras 17 ficaram feridas, tendo acabado os dois por ser abatidos pela polícia ao fim de horas de perseguição.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR