Mais de 100 mil pessoas tiveram de sair das suas casas devido às grandes inundações que estão a afetar o sul do Brasil, o Paraguai, o Uruguai e a Argentina. O país mais afetado é o Paraguai, cujo rio homónimo transbordou em vários pontos. Na capital, Assunção, 90 mil pessoas foram retiradas de casa — a maior parte vive em bairros precários e de condições débeis.

As fortes tempestades dos últimos dias fizeram com que o rio Paraguai subisse vários centímetros e originaram quedas de árvores que vitimaram diversas pessoas. Em Assunção foi declarado o estado de emergência e as autoridades estão a pedir doações de roupa, alimentos e medicamentos para fazer face à crise de desalojados. Outras zonas do país, também banhadas pelo rio, foram evacuadas por precaução.

No Brasil, as fortes chuvadas que se têm feito sentir ao longo de todo o mês no estado do Rio Grande do Sul obrigaram quase duas mil famílias a abandonar as suas casas. Segundo o instituto de meteorologia brasileiro, em dezembro já choveu mais do dobro do que é normal em Uruguaiana, uma cidade na fronteira entre o Brasil e a Argentina onde há mais desalojados. A presidente brasileira, Dilma Rousseff, visitou este sábado as áreas afetadas pelas cheias.

Ainda no Brasil, mas na fronteira com o Uruguai, as chuvas chegaram a provocar o corte das ligações rodoviárias entre os dois países. No Uruguai, mais de nove mil pessoas tiveram de sair de casa devido às inundações, que deverão continuar pelos próximos dias.