Mundo

Um homem, dois remos e o oceano Pacífico à sua frente

John Beeden não foi o primeiro navegador a cruzar o Pacífico. Mas foi o primeiro a fazê-lo só e numa embarcação a remos. Precisou de 209 dias para chegar de S. Francisco, EUA, a Cairns, na Austrália.

Solo Pacific Row

Autor
  • Tiago Palma

Os últimos 209 dias, John Beeden passou-os no oceano Pacífico. Numa pequena embarcação a remos, onde só cabe ele e pouco mais. Sozinho. Completamente sozinho. E sem fazer qualquer escala. Remou durante 15 horas por dia. Todos os dias.

Chamem-lhe louco, mas a verdade é que este inglês de Sheffield, com 53 anos e muitas milhas náuticas nos braços — há quatro anos, atravessou o Atlântico em circunstâncias idênticas –, foi o primeiro homem a cruzar o Pacífico a remo. John Beeden, que vive no Canadá, partiu de San Francisco, na costa Oeste dos Estados Unidos e chegou, contra ventos e marés — que, diga-se, de tão agrestes que foram, atrasaram-lhe a chegada em muitas semanas –, esta segunda-feira à cidade de Cairns, no nordeste da Austrália.

À chegada, esperava-o uma cidade inteira, exultante com a sua façanha. E disse, visivelmente desgastado, John: “Ser o primeiro homem a conseguir atravessar o Pacífico a remo é realmente incrível. Ainda estou a processar tudo o que vivi.”

A mulher de John, Cheryl, também o aguardava em Cairns. “Ele é um homem incrível, diferente da maioria dos homens. E mesmo quando tem um dia mau, no mar ou na vida, continua a remar e ‘remar’.” Cheryl quer agora, por fim, ter o marido em casa consigo. Mas nem ela acredita que a estadia de John vá durar muito tempo fora de água: “Estou feliz por vê-lo regressar a casa são e salvo. Ele disse-me que não voltaria a meter-se numa aventura destas durante muito, muito tempo. Mas tenho a certeza que dentro de poucas semanas vai estar a preparar-se para outra aventura e vou ter que refreá-lo.”

Em 1983, Peter Bird também tentou atravessar o oceano Pacífico a remo, também só e também saído de São Francisco. Mas ao fim de 294 dias no mar foi vencido pelo cansaço e pelas intempéries e teve que ser resgatado pela Marinha australiana.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mundo

O poder mobilizador da rejeição /premium

Diana Soller

Um discurso negativo, de rejeição de alguma coisa, independentemente de ser factual ou inventado, tem muito mais impacto junto das populações que um discurso positivo, construtivo ou inclusivo.

Mundo

Delitos de Opinião

António Cruz Gomes

Parece chegado o momento premente dos “Políticos” de cada País determinarem o que deve mudar para salvação do Mundo e preservação da nossa descendência.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)