Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os últimos 209 dias, John Beeden passou-os no oceano Pacífico. Numa pequena embarcação a remos, onde só cabe ele e pouco mais. Sozinho. Completamente sozinho. E sem fazer qualquer escala. Remou durante 15 horas por dia. Todos os dias.

Chamem-lhe louco, mas a verdade é que este inglês de Sheffield, com 53 anos e muitas milhas náuticas nos braços — há quatro anos, atravessou o Atlântico em circunstâncias idênticas –, foi o primeiro homem a cruzar o Pacífico a remo. John Beeden, que vive no Canadá, partiu de San Francisco, na costa Oeste dos Estados Unidos e chegou, contra ventos e marés — que, diga-se, de tão agrestes que foram, atrasaram-lhe a chegada em muitas semanas –, esta segunda-feira à cidade de Cairns, no nordeste da Austrália.

À chegada, esperava-o uma cidade inteira, exultante com a sua façanha. E disse, visivelmente desgastado, John: “Ser o primeiro homem a conseguir atravessar o Pacífico a remo é realmente incrível. Ainda estou a processar tudo o que vivi.”

A mulher de John, Cheryl, também o aguardava em Cairns. “Ele é um homem incrível, diferente da maioria dos homens. E mesmo quando tem um dia mau, no mar ou na vida, continua a remar e ‘remar’.” Cheryl quer agora, por fim, ter o marido em casa consigo. Mas nem ela acredita que a estadia de John vá durar muito tempo fora de água: “Estou feliz por vê-lo regressar a casa são e salvo. Ele disse-me que não voltaria a meter-se numa aventura destas durante muito, muito tempo. Mas tenho a certeza que dentro de poucas semanas vai estar a preparar-se para outra aventura e vou ter que refreá-lo.”

Em 1983, Peter Bird também tentou atravessar o oceano Pacífico a remo, também só e também saído de São Francisco. Mas ao fim de 294 dias no mar foi vencido pelo cansaço e pelas intempéries e teve que ser resgatado pela Marinha australiana.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR