Já ficou vidrado nuns lindos sapatos? É normal, “nós colamos o olhar àquilo que nos interessa”, escreve Rosemarie Garland-Thomson, professora da Universidade de Emory, no seu livro Staring: How we look. Mas também já fitou longamente uns sapatos horríveis? É normal: o tempo do olhar fixo é aquele que demora o cérebro a assimilar a informação, quando vê aquilo de que não está à espera. E se quer acompanhar a tendência dos sapatos feios — ugly shoes trend –, prepare-se para passar muito tempo a olhar para eles, até que se tornem normais para a sua retina.

Quem não ousa umas Birkenstock não sabe o que é o normcore e pode bem desistir das golas altas. A moda destas sandálias de ar e conforto ortopédico regressou em força no verão passado, quando se voltavam a afirmar as plataformas e as solas de ar bruto.

https://www.instagram.com/p/5Wvs4_vi6K/

Terá provavelmente sido a casa Céline, com a direção criativa de Phoebe Philo, que lançou para a ribalta estas sandálias feias, quando em 2012 as pôs nas passerelles com a palmilha forrada de pelo. Passados quatro anos e estes chinelos estão nos pés até mesmo de quem se atreveu a dizer nunca. Não fazem desfilar, fazem andar, e não há razão nenhuma para ter dúvidas: o que a designer britânica pôs nas semanas da moda este ano deve estar a chegar às ruas não tarda. Reconhece o nome babouche?

Na coleção Resort de 2016, Phoebe Philo mostra estes sapatos rasos, abertos atrás e muitíssimo pontiagudos. Não é o pontiagudo expectável. O cérebro demora a acomodar-se a este pontiagudo que faz lembrar os filmes do Aladino. Só falta curvarem para cima e para dentro.

https://www.instagram.com/p/BAGKfWnu6Iw/

As babouche têm raízes árabes, mas a partir de agora estão ocidentalizadas: aparecem simples, todas pretas ou todas brancas, ora em pele, ora em verniz, nas pré-colecções de outono/inverno 2016 de Victoria Beckham, Narciso Rodriguez, Paco Rabanne ou Opening Ceremony.

Nicole Phelps, editora da Vogue Runway, também não acreditou no que via à primeira: “Ainda são mais estranhos do que os saltos-altos-luva da Philo, mas é previsível que se tornem igualmente um must have.”

PARIS, FRANCE - SEPTEMBER 28: A shoe detail is seen as a model walks the runway during the Celine show as part of the Paris Fashion Week Womenswear Spring/Summer 2015 on September 28, 2014 in Paris, France. (Photo by Pascal Le Segretain/Getty Images)

Os sapatos-luva apresentados na coleção de primavera/verão 2015 da Céline tornaram-se surpreendentemente populares, sobretudo num improvável dourado. Foto: Pascal Le Segretain/Getty Images

Os sapatos-luva de que Phelps fala não são mais que uns sapatos de salto médio, largo, com a ponta redonda e que merecem o comentário “são muito práticos para ir às compras” da parte das avós. E quem as pode censurar? De facto são. Philo acrescentou-lhes um elástico e fê-los de um material maleável que se adapta ao pé, tal como uma luva. Lojas como a Maryam Nassir Zadeh, a Zara, a COS e a Uterqüe — que também já tem as suas babouche na nova coleção — não desperdiçaram a ideia que mais uma vez privilegia o conforto.

View this post on Instagram

Jewellery-over-jumper sandwich to go, please!

A post shared by Who What Wear UK (@whowhatwear.uk) on

View this post on Instagram

#grannyshoes

A post shared by Mafalda Nunes (@mafaldanunes_) on

E se entretanto já está a pensar que, no meio disto tudo foi uma pena ter-se deixado cair a ideia de forrar palmilhas com pelo, há boas notícias e são “chanatas” da Gucci: são como chinelos de quarto e já estão em todos os conjuntos de fim de semana do Instagram.

https://www.instagram.com/p/_2kfHrNZxj/