477kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Tsipras e Schäuble em Davos. Um encontro em que não faltou "dinamite"

Este artigo tem mais de 5 anos

Primeiro-ministro grego e ministro das Finanças da Alemanha participaram num painel de debate em Davos. Humor ajudou a aliviar tensão do encontro, depois do confronto sobre o FMI.

i

FABRICE COFFRINI/AFP/Getty Images

FABRICE COFFRINI/AFP/Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, e o ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble, partilharam um painel de debate no Fórum Económico Mundial em Davos, Suíça, poucos dias depois de a Grécia ter, finalmente, acedido a que o Fundo Monetário Internacional (FMI) participe no terceiro resgate ao país. Se Tsipras não tivesse cedido nessa matéria, o alemão diz que no parlamento de Berlim iria rebentar “dinamite”.

A participação do FMI no resgate ficou acordada em julho (no acordo que abriu caminho para o terceiro resgate) mas Alexis Tsipras e o seu governo mostraram nas últimas semanas que o FMI não era “necessário” e que estava a causar “frustração” aos gregos com as suas exigências. Na semana passada, porém, em dia de reunião dos ministros do Eurogrupo, o governo grego cedeu e confirmou que aceitava a participação do Fundo.

Para a Alemanha (e vários outros países), esta participação do FMI era crucial não só pelo facto de ajudar com o envelope financeiro necessário mas, também, para legitimar, em certa medida, a assistência financeira dos fundos europeus ao país. No painel de debate em Davos, Wolfgang Schäuble disse que excluir o FMI deste processo estava fora de questão porque foi isso que foi aprovado pelos vários parlamentos que deram luz verde ao terceiro resgate à Grécia, incluindo o Bundestag (o parlamento alemão).

E foi aí que se ouviu a palavra “dinamite”, da boca do ministro alemão. Schäuble disse que chegar ao Bundestag e dizer aos deputados alemães que, afinal, o FMI não iria participar no resgate à Grécia seria como “entrar numa sala cheia de dinamite com uma vela acesa“. Daí a importância de Alexis Tsipras e o seu governo terem cedido e convidado o FMI a participar.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Tsipras afirmou, numa resposta sorridente a Schäuble, que não queria que o ministro das Finanças da Alemanha rebentasse consigo próprio no parlamento alemão e, portanto, decidiu “retirar o dinamite” antes de o alemão entrar na sala – aceitando, então, a participação do FMI.

Schäuble: “Podiamos ter só dito: é uma questão de implementação, estúpido

Durante o debate, Tsipras garantiu que o governo irá fazer o possível para cumprir o memorando de entendimento subjacente ao terceiro resgate. Ainda assim, o grego lembrou que o país perdeu “25% do PIB [nos anos da crise] e a taxa de desemprego disparou” – “a Grécia precisa de reformas estruturais significativas mas todos temos de compreender que, ao mesmo tempo que precisamos de um orçamento público equilibrado, precisamos de crescimento”.

A este repto, Schäuble respondeu que a Alemanha também tem os seus próprios problemas, como o envelhecimento da população. “Se queremos tornar a Europa mais forte, temos de implementar as medidas que aceitámos implementar”, afirmou o ministro alemão, lembrando que a posição da Alemanha tem sido construtiva: “Podíamos ter só dito: é uma questão de implementação, estúpido“, numa alusão à célebre expressão “é a economia, estúpido“.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.