As autoridades sanitárias chinesas confirmaram o primeiro caso de infeção com o vírus Zika no país, num homem de 34 anos que esteve na Venezuela e regressou à China a 5 de fevereiro, noticiou esta quarta a imprensa oficial. O infetado está hospitalizado e em quarentena, mas encontra-se já em recuperação, segundo as autoridades.

O homem, natural da província de Jiangxi, no sudeste da China, teve sintomas de febre, tonturas e dores de cabeça a 28 de janeiro, quando ainda estava na Venezuela, e regressou a casa depois de ter feito escala em Hong Kong.

O risco de difusão do vírus é “extremamente baixo” devido às temperaturas frias nesta altura do ano na região, asseguraram as autoridades de Saúde chinesas.

Transmitido pela picada de mosquitos do género Aedes, as autoridades sanitárias suspeitam que o Zika seja a causa de numerosos casos de deformações congénitas em bebés cujas mães foram contaminadas durante a gravidez.

Os sintomas e sinais clínicos da infeção pelo vírus, transmitida (de forma comprovada) aos seres humanos por picada de mosquitos infetados (na América Latina através do Aedes aegypti, também vetor de transmissão do vírus do dengue, da febre chikungunya e da febre amarela), são muito parecidos com os da gripe, provocando febre, erupções cutâneas, dores nas articulações, conjuntivite, dores de cabeça e musculares.

Geralmente, os sintomas começam a desaparecer quatro ou cinco dias depois. O período normal de incubação varia entre três a 12 dias.