Depois de longos meses em silêncio, a LibertaGia parece ter regressado dos mortos. Esta segunda-feira, a marca de serviços multimédia que ficou conhecida por esconder um esquema em pirâmide, publicou um comunicado no site oficial onde anuncia que o seu regresso está para breve. Ao que parece, a partir de junho, a plataforma estará de novo aberta à entrada de novos membros.

Na nota, assinada pelo brasileiro Reinaldo Moreira dos Santos Júnior, dono da italiana Senza Frontiere, é referido que finalmente chegou “a hora de lançar luz sobre o ocorrido e de mostrar o processo de recuperação” da marca. “Durante todo esse tempo de silêncio, a administração da empresa na Itália não parou de trabalhar, buscando formas de reerguer a imagem da empresa e toda sua infraestrutura, que foi gravemente abalada por parceiros e fornecedores que não cumpriram com seus respetivos deveres.”

De acordo com Reinaldo Júnior, esses “parceiros e fornecedores” já foram denunciados às autoridades competentes “e agora a Libertagia aguarda a reparação dos danos causados”. “Nos próximos 30 dias vamos iniciar um processo de incorporação do novo investidor, corpo jurídico e equipa, seguindo rigorosamente todas as normas internacionais. Durante todo esse processo, as mudanças feitas e etapas a seguir pelos membros serão informadas no nosso site oficial. Também divulgaremos os novos produtos, parceiros e o plano compensação em forma de stock option para todos os membros LibertaGia”, anunciou o dono da Senza Frontiere.

Para além do comunicado, f9i ainda publicado um calendário de eventos que deverão acontecer nas próximas semanas. À publicação da nota, seguir-se-á no próximo dia 15 a abertura de um “formulário LibertaGia” e de uma reunião na cidade de Pisa, em Itália, no início de junho com 12 líderes mundiais, que serão selecionados através de um sorteio online. Neste encontro, de acordo com Reinaldo Júnior, será apresentado “o novo investidor, produtos, documentos, plataforma e o novo plano da empresa”.

A estas iniciativas, seguir-se-á a abertura da plataforma a novos membros, no dia 6 de junho. Nos próximos comunicados, serão ainda divulgadas informações sobre o andamento do processo. Resta é saber de qual, uma vez que a empresa está a ser investigada em Espanha e em Portugal. “Com tudo isso o que buscamos é recuperar não só a imagem da empresa, mas de todos os membros que acreditam e acreditaram nela, recuperar nossos sonhos e objetivos. É hora de unirmos forças em beneficio desta empresa que mais do que nunca pertence de todos nós”, conclui o comunicado.

O anúncio apanhou de surpresa os antigos afiliados, que garante que, até ao momento, ainda não foram contactados por ninguém da parte da LibertaGia. Para aqueles que perderam dinheiro, o silêncio mantêm-se. “Sinceramente, isto caiu como um balde de água fria”, admitiu Manuel (nome fictício), antigo afiliado. “Não entraram em contacto com ninguém. Já estivemos a verificar os emails das nossas contas grandes para ver se tinha chegado alguma informação, mas nada.”

Em agosto de 2015, uma investigação do El País colocou o nome da LibertaGia e do seu presidente, Rui Miguel Pires Salvador, nas bocas do mundo. O português, um ex-camionista com “dotes de apresentador evangélico”, seria o responsável por um esquema em pirâmide que teria prejudicado, pelo menos, dois milhões de pessoas em diferentes países, incluindo Portugal. O caso está a ser investigado pelas autoridades espanholas e portuguesas.