O prometido é devido. Com alguns dias de atraso, a LibertaGia lançou um novo comunicado no seu site oficial onde Reinaldo Moreira Júnior anunciou (mais uma vez) as suas intenções e recuperar a empresa de marketing multinível. Na nota publicada na madrugada desta terça-feira, o antigo representante do suporte da LibertaGia em Itália, onde reside, e em Portugal, garantiu que sempre fez de tudo para manter a estabilidade da empresa.

Referindo-se ao período de instabilidade que abalou a LibertaGia no ano passado que levou ao seu fecho, Reinaldo Moreira conta que, em fevereiro de 2015, convocou “uma reunião com algumas das lideranças mais importantes da LibertaGia”. Porém, “as medidas apresentadas por mim para recuperar a empresa não avançaram, e a LibertaGia teve as suas atividades pausadas pela gestão em exercício na época“.

Foi no início de 2015 que começaram os problemas no interior da LibertaGia. A indignação dos afiliados, que não viam maneira de ter acesso ao dinheiro até então ganho, juntou-se a a revolta de alguns membros da própria empresa. Várias discussões levaram à rotura interna da LibertaGia e à denúncia de que a empresa de marketing multinível dirigida pelo português Rui Salvador se tratava de um esquema em pirâmide. O caso está a ser investigado em Portugal e em Espanha, onde se encontram localizados a maioria dos lesados.

Este é o segundo comunicado emitido por Reinaldo Moreira no site da LibertaGia depois de mais de uma ano de silêncio. Na primeira nota, publicada a 9 de maio, o brasileiro, dono da empresa italiana Senza Frontiere, referiu que que finalmente chegou “a hora de lançar luz sobre o ocorrido e de mostrar o processo de recuperação” da marca.

“Durante todo esse tempo de silêncio, a administração da empresa na Itália não parou de trabalhar, buscando formas de reerguer a imagem da empresa e toda sua infraestrutura, que foi gravemente abalada por parceiros e fornecedores que não cumpriram com seus respetivos deveres”, acrescentou.

Contactado pelo Observador, Reinaldo Moreira garantiu que o seu projeto “é outra coisa” e que “não tem nada a ver com a LibertaGia Mondial das Bahamas”. “É tudo outra história”, frisou, dizendo que o que está em causa é apenas o domínio e a empresa que prestava suporte aos afiliados. “Vai ficar bonito esse negócio”, concluiu, garantindo que já foram tomados os respetivos procedimentos legais.

Para além do novo comunicado, foi ainda atualizado o calendário de eventos para as próximas semanas. A 18 de maio, será aberto o formulário LibertaGia e, a 5 de junho, haverá uma reunião com 12 líderes mundiais, que serão selecionados através de um sorteio, na cidade de Pisa, em Itália. No dia seguinte, a plataforma será novamente aberta para novas inscrições.