A Comissão Europeia vai desembolsar mais 47 milhões de euros, nomeadamente para apoiar a educação dos refugiados sírios na Turquia, no âmbito do contrato entre a União Europeia (UE) e as autoridades de Ancara.

Segundo um comunicado divulgado esta quinta-feira, o executivo comunitário destinou 20 milhões de euros para reforçar a guarda costeira turca e 27 milhões de euros para facilitar o acesso de refugiados à educação.

O comissário europeu para a Vizinhança, Johannes Hahn, comentou que a “União Europeia (UE) está a cumprir o seu compromisso para a rápida implementação do acordo UE-Turquia”.

“Hoje, reafirmamos também que o acesso à educação para as crianças refugiadas e jovens sírios é uma prioridade absoluta”, comentou.

Antes da guerra, recordou a Comissão, 20% de jovens entre os 18 e os 25 anos estavam inscritos no ensino superior e formações seguintes, sendo este valor de 5% atualmente entre os refugiados, o que levanta a hipótese de uma “geração perdida”.

Ao abrigo do acordo entre as duas partes, a UE atribuirá três mil milhões de euros para infraestruturas para refugiados e travar a migração ilegal.

O financiamento da guarda costeira visa melhorar a sua capacidade nas operações de busca e salvamento e de luta contra a migração irregular e o tráfico de pessoas.

Antes da guerra, 20% dos jovens sírios estavam no ensino superior e graus posteriores, um valor que caiu para menos de 5% entre os refugiados, o que cria a hipótese de uma “geração perdida”, segundo a Comissão.