No capítulo dos hiperdesportivos, é difícil fazer frente ao LaFerrari. Tem um emblema venerado, uma estética apaixonante e muita tecnologia, para além dos 963 cv que lhe asseguram uma velocidade máxima superior a 350 km/h. Pois bem, agora imagine todo este explosivo “cocktail”, mas em versão descapotável. Deslumbrante? Pois é isso mesmo que o público vai poder admirar no próximo Salão Automóvel de Paris, a partir de 1 de Outubro.

Apresentado em 2013 em versão coupé de carroçaria fechada, e do qual foram apenas produzidas 499 unidades – imediatamente vendidas por 1,3 milhões de euros cada –, o LaFerrari prepara-se para surgir no mercado com uma versão Spider, de que deverão ser construídas cerca de 150 unidades. O que já se sabe é que estão todas vendidas, exclusivamente a devotos e proprietários de modelos da marca. O preço, esse, continua no segredo dos deuses. Ou de quem passou o cheque.

Depois de ter levantado ligeiramente a ponta do véu há cerca de um mês, com a divulgação de algumas imagens de uma miniatura que, segundo o fabricante, reproduzia ao pormenor esta nova variante, eis que a marca do “cavallino rampante” dá agora a conhecer a versão mais – digamos assim – veraneante do deslumbrante Ferrari LaFerrari. As fotos oficiais confirmam as indicações deixadas pela miniatura, revelando um modelo com poucas diferenças estéticas face à já conhecida variante de carroçaria fechada. Ainda assim, um olhar mais atento permite detectar algumas modificações nos pilares A e pára-brisas, necessários para que o Spider possa circular aberto a 350 km/h, para além da introdução de reforços no chassi, de forma a garantir, ao descapotável, a mesma rigidez torcional e estabilidade do coupé.

Com apresentação mundial prevista para daqui a menos de três meses, a Ferrari optou por manter no maior dos secretismos grande parte dos detalhes relativos a esta nova variante. Recusando-se a confirmar, até, a hipótese de o modelo vir a adoptar a designação muitas vezes utilizada neste tipo de propostas – Spider.

Já no que diz respeito aos aspectos técnicos, embora o fabricante tenha optado, mais uma vez, por nada divulgar, é opinião geral que o LaFerrari descapotável deverá exibir o mesmo bloco que está no coupé – um 6.3 V12 atmosférico, a debitar 800 cv de potência e 700 Nm de binário, a que se junta um motor eléctrico, capaz de garantir mais 163 cv, alimentado por uma bateria de 60 kg colocada atrás dos ocupantes. Com os dois propulsores a funcionarem em conjunto, a garantia é de uma potência total de 963 cv, a par de um binário máximo de mais de 900 Nm.

Na transmissão, a escolha deverá passar por uma caixa automática de dupla embraiagem e sete velocidades, complemento para um conjunto cuja potência produzida é direccionada exclusivamente para as rodas de trás. Garantido pelo construtor, é que o descapotável terá não apenas o mesmo coeficiente aerodinâmico do coupé, como as mesmas prestações. Ou seja, uma aceleração dos 0 aos 100 km/h em menos de 3 segundos, 200 km/h em menos de 7 segundos, para chegar aos 300 km/h em não mais que 15 segundos. E, claro está, superar os 350 km/h.

A entrega aos clientes das primeiras unidades do Ferrari LaFerrari descapotável está prevista apenas para 2017.