Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Tudo terá começado com uma queixa apresentada, já este ano, por um concessionário do estado do Illinois, nos Estados Unidos da América (EUA), num tribunal civil. A acusação alega que a Fiat Chrysler Automobiles (FCA) terá pago a alguns dos seus concessionários para inflacionarem as respectivas vendas, ao que o construtor respondeu que a mesma não teria qualquer fundamento.

Porém, na passada semana, o FBI e a Securities and Exchange Commission – entidade que, em Portugal, equivalerá à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários – deram seguimento a uma investigação conjunta às práticas de divulgação dos números de vendas adoptadas pela FCA.

Segundo o “Automotive News”, os agentes federais não só visitaram vários funcionários da empresa (actuais e antigos), tanto nas suas casas como nos seus locais de trabalho, como levaram a cabo, no mesmo dia, buscas na sede da companhia, em Auburn Hills, no estado do Michigan. Ao que tudo indica, a FCA arrisca-se a enfrentar uma acusação de fraude por parte do Departamento de Justiça dos EUA, e os procuradores estarão, agora, a tentar apurar se a companhia terá ou não violado as leis do mercado.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR