Um estudo revela que o consumo regular de doses moderadas de café reduz a “expressão do medo”, uma componente associada às fobias e à depressão. A conclusão chega de um estudo feito pela Universidade de Coimbra (UC) e o Massachusetts Institute of Technology (MIT), dos Estados Unidos da América.

O medo está “associado a fobias, stress pós-traumático e depressão, havendo por isso um grande interesse por parte da comunidade científica em manipular esta reação emocional. Nos EUA, por exemplo, é mesmo uma prioridade devido à elevada incidência de stress pós-traumático”, destaca a Universidade de Coimbra, em comunicado. A investigação foi financiada pelo Departamento de Defesa dos EUA.

A experiência foi feita com ratinhos, separados em dois grupos. A um deles foi administrada diariamente um análogo de cafeína que bloqueia os recetores A2A, ligados à memória aversiva. Ao outro grupo, não foi dada cafeína. Provou-se que, nos ratos que consumiam cafeína, ocorreu uma “diminuição progressiva da retenção da memória aversiva. Quando colocados no contexto causador do medo, os animais ajustaram o seu comportamento, ou seja, adquiriram uma adaptação positiva”, explica Rodrigo Cunha, coordenador do estudo. A investigação abre assim portas para avanços no controlo da depressão e de fobias.