Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Papa Francisco visitou esta manhã o antigo campo de concentração nazi de Auschwitz e Birkenau, na Polónia. Francisco entrou sozinho pelo portão do campo, e permaneceu assim, sozinho, durante vários minutos.

Durante a visita, Francisco visitou a cela onde esteve preso São Maximiliano Kolbe, um frade franciscano que morreu em 1941 em Auschwitz, após se ter oferecido para morrer no lugar de um soldado polaco.

Antes de Francisco, também os papas S. João Paulo II e Bento XVI visitaram o campo. O Papa Francisco já tinha anunciado, na viagem de regresso da visita quefez à Arménia, a sua intenção de rezar em silêncio naquele “lugar de horror”. Na altura, disse que queria, “sozinho, entrar e rezar para que o Senhor me dê a graça de chorar”.

O Papa não falou durante a visita, mas escreveu no livro de honra do museu de Auschwitz: “Senhor, tem piedade do teu povo. Senhor, perdoa tanta crueldade”. Além de ter escrito estas palavras, Francisco deixou uma lamparina de bronze, representando o renascimento a partir das ruínas, no “muro da morte”, como é conhecido o local onde eram executados vários prisioneiros no campo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Francisco está na Polónia para presidir às Jornadas Mundiais da Juventude, em Cracóvia.

Veja as fotografias desta visita na fotogaleria acima. Pode ver neste vídeo, da televisão do Vaticano a visita completa aos campos:

Notícia atualizada às 13h51.