506kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Rafaela Silva foi para o judo para "domar" a violência da rua. Agora, ganhou a medalha de ouro

Este artigo tem mais de 5 anos

Cresceu num dos bairros mais problemáticos do Rio e entrou no judo para controlar a violência. Em 2012, sofreu ataques racistas que a afastaram durante meio ano dos combates. Agora, é ouro.

A jovem da Cidade de Deus garante que cumpriu um sonho
i

A jovem da Cidade de Deus garante que cumpriu um sonho

Getty Images

A jovem da Cidade de Deus garante que cumpriu um sonho

Getty Images

Rafaela Silva só podia brincar em frente ao portão de sua casa. Os tiroteios frequentes motivaram a ordem dos pais: vir para casa ao primeiro indício de trocas de tiros. A infância da judoca brasileira, passada na Cidade de Deus (um bairro perigoso do Rio de Janeiro, retratado no filme com o mesmo nome, nomeado para quatro Óscares), foi violenta, envolvida em lutas e recados da escola para os pais.

Foi essa violência, escreve o jornal brasileiro O Globo, que levou os pais de Rafaela a inscrevê-la numa academia de judo orientada pelo mestre Geraldo Berardes. Entre o primeiro treino no Instituto Reação — que dinamiza escolas de desporto em zonas desfavorecidas do Rio de Janeiro — e a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos, o percurso foi longo e difícil.

Os pais trouxeram-nas [Rafaela e a irmã, Raquel] para treinar, porque elas não obedeciam a ninguém, brigavam muito. Nas primeiras aulas, vi que tinham boa coordenação, uma agressividade importante. Na Cidade de Deus, ela peitava [enfrentava] todo o mundo. Tinha que canalizar isso para o judo”, lembra o treinador, que acompanha Rafaela desde o primeiro momento.

Para evoluir na modalidade, e mudar de cinturão, Geraldo exigia boas notas na escola. Por isso, Rafaela tornou-se melhor aluna. Começou a ter o judo dentro de si — mas continuava a jogar à bola com os rapazes, com quem também continuava a lutar na rua. “Sabiam que eu fazia judo e queriam ver se eu era boa”, lembra a atleta. “E apanhavam.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Geraldo Bernardes percebeu que tinha um diamante em bruto diante de si e começou a trabalhá-lo. Havia de lhe colocar medalhas ao peito. Rafaela treinou muito, e foi, com 16 anos, ganhar o Mundial de Júniores da Tailândia. A competição era para atletas entre os 17 e os 19 anos de idade. A vitória deu a certeza olímpica a Geraldo.

Londres 2012: “Lugar de macaco é na jaula, não nas Olimpíadas”

Rafaela foi acumulando títulos, e, quando chegou aos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, era vice-campeã mundial. No ranking internacional, ocupava o quarto lugar. Após a vitória no primeiro combate, Rafaela defrontou a húngara Hedvig Karakas. Tudo apontava para uma vitória da brasileira, mas o golpe que a fez ganhar foi considerado ilegal. Num segundo, Rafaela Silva caiu no desespero. Chorou, abraçada à treinadora Rosicleia Campos, ali na arena.

Brazil's Rafaela Silva commissarates with her coach Campos Rosicleia, after losing against Hungary's Hedvig Karakas during their women's -57kg judo contest match of the London 2012 Olympic Games on July 30, 2012 ExCel arena in London. AFP PHOTO / JOHANNES EISELE (Photo credit should read JOHANNES EISELE/AFP/GettyImages)

Rafaela Silva chorou, na arena, após perder o combate contra a húngara Hedvig Karakas. A derrota colocou-a fora do pódio nos Jogos Olímpicos de Londres e foi o início de uma depressão que a fez querer abandonar a modalidade. (JOHANNES EISELE/AFP/Getty Images)

Perdeu. E os adeptos da modalidade não perdoaram. Nas redes sociais, Rafaela Silva foi bombardeada com ataques duros e foi vítima de racismo. Quando chegou ao hotel e abriu o Twitter, descobriu os insultos. “Lugar de macaco era na jaula, e não nas Olimpíadas”, dizia um comentário. “Tinha um comentário [a dizer que] eu estava gastando o dinheiro que a pessoa pagava de imposto para querer ganhar roubando”, recordou Rafaela ao jornal desportivo Globo Esporte.

Rafaela podia ter ignorado, mas respondeu. E exaltou-se. “Respondi que pagava imposto também”, lembra. E depois isolou-se: colocou todas as suas redes sociais em modo privado e passou quatro meses sem vestir um quimono, de acordo com o treinador.

A depressão durou até dezembro de 2012, altura em que ganhou a medalha de bronze no World Masters. A partir daí, retomou os bons resultados. O auge chegou esta semana.

“Mostrei que uma pessoa saída de favela pode tornar-se campeã. A lição que fica para as crianças é que, se têm um sonho, que batalhem. Assim, podem alcançá-lo”, disse a judoca à saída do combate que lhe deu a medalha de ouro. Mas nem o ouro olímpico — a medalha que faltava no currículo de Rafaela — a livrou de algumas críticas, como se pode ler nos comentários à publicação que a judoca colocou no seu Facebook para comemorar a vitória:

Foi o mesmo centro que a acolheu em criança, o Reação, que a salvou da desistência. “Imaginas-te daqui a dois anos fora do judo?”, perguntou-lhe uma psicóloga que trabalhava no centro. “Rafaela nem pestanejou”, conta o jornal brasileiro Zero Hora. Foi vencer o Mundial de 2013. O Rio de Janeiro trouxe a quarta medalha de ouro da sua carreira, depois desse Mundial de 2013, e dos Jogos Pan-Americanos de 2012 e de 2013.

“Pode demorar. Eu não consegui há quatro anos. Mas agora alcancei”

A húngara Karakas, que a assombrava desde Londres, foi despachada por Rafaela nos quartos-de-final. Antes, tinha vencido Myiram Roper e Jandi Kim. Nas meias-finais, venceu a romena Corina Carprioru. Rafaela acabaria por ganhar, na final, à mongol Sumiya Dorjsuren, que tinha eliminado a portuguesa Telma Monteiro da disputa pelo ouro.

RIO DE JANEIRO, BRAZIL - AUGUST 08: Rafaela Silva of Brazil (blue) competes against Sumiya Dorjsuren of Mongolia in the Women's -57 kg Final - Gold Medal Contest on Day 3 of the Rio 2016 Olympic Games at Carioca Arena 2 on August 8, 2016 in Rio de Janeiro, Brazil. (Photo by David Ramos/Getty Images)

Rafaela Silva venceu Sumiya Dorjsuren na final. (David Ramos/Getty Images)

Dezanove anos depois de ter entrado na academia de Geraldo Bernardes para corrigir as tendências violentas da rua, Rafaela Silva subiu ao pódio olímpico. A jovem da Cidade de Deus garante que cumpriu um sonho, e lembra ao jornal O Globo os dias em que vivia no bairro problemático da cidade: “Desde pequena, o meu sonho era ver as pessoas famosas e tirar fotos. Agora, ao ir para a Vila (Olímpica) e as pessoas pedirem para tirar foto comigo é bem diferente”.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.