Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Não é o que “Nem que Cristo desça à Terra” de Marcelo Rebelo de Sousa mas quase. Pedro Santana Lopes voltou a falar sobre a possibilidade de avançar para uma candidatura à Câmara Municipal de Lisboa e deixou claro, que “salvo circunstâncias excecionais”, deverá mesmo manter-se à frente da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

O ex-líder social-democrata falava na SIC Notícias, no espaço de comentário que divide com o socialista António Vitorino. Desafiado a pronunciar-se sobre as notícias recorrentes que o dão como o grande favorito do PSD para avançar contra Fernando Medina, Santana Lopes repetiu que “em princípio” fica “na Santa Casa da Misericórdia” até 2019.

O antigo primeiro-ministro não deixou de comentar a notícia avançada esta terça-feira pelo jornal Público, que dá conta que Pedro Passos Coelho pode estar inclinado a apoiar Assunção Cristas se a solução “Pedro Santana Lopes” não se concretizar. Uma hipótese remota, salvaguarda o Público, mas que seria para Santana Lopes um erro estratégico — entregar a liderança de uma candidatura a dois ao CDS “era algo complicado” para a expressão política do PSD em Lisboa, argumentou o social-democrata.

Num momento em que as bases sociais-democratas esperam que o partido faça uma demonstração de força nas eleições autárquicas de 2017, a indefinição da liderança em relação ao candidato que deve avançar nas autárquicas de Lisboa — e do Porto — continua alimentar muita especulação. Ora, reiterando que esta era altura de “manter frio o raciocínio”, Santana Lopes garantiu que não quer ser um fator de instabilidade para o partido. “Amigo não empata amigo. Não pedi a ninguém para ser candidato”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ou seja, se o PSD quiser avançar com outro candidato para Lisboa não será Santana Lopes a travar essa estratégia, como fez questão de assinalar o ex-presidente do PSD. “O keep cool” que deixou no Congresso social-democrata “mantém-se”.

Ainda assim, e mostrando sinais de desgaste pelos constantes rumores que o dão como o candidato mais desejado do PSD para Lisboa, Pedro Santana Lopes deixou foi perentório: “Fui um presidente da Câmara com uma ideia bem definida para Lisboa. Senão, passados 15 anos, não me andavam a convidar para ser candidato. O resto é conversa, o resto é conversa”, repetiu o ex-primeiro-ministro.