807kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Central Termoelétrica de Sines é a maior emissora de CO2 do país

Este artigo tem mais de 5 anos

O ranking divulgado esta quinta-feira pela associação ambientalista Zero mostra que a EDP é a empresa que emite mais dióxido de carbono em Portugal. Associação quer que as centrais fechem.

i

Manuel Moura/LUSA

Manuel Moura/LUSA

A EDP é a empresa portuguesa que emite mais gases com efeitos de estufa, de acordo com o ranking divulgado esta quinta-feira pela associação ambientalista Zero. Só a central termoelétrica de Sines é responsável por 13,5% das emissões totais de CO2 do país.

Os dados surgem na véspera da entrada em vigor do Acordo de Paris, documento da Convenção da ONU sobre as Alterações Climáticas em que os países se comprometem a reduzir as emissões de gases de efeito de estufa, para que nas próximas décadas não se registe um aumento de temperatura superior a 1,5ºC relativamente à era pré-industrial.

No top 5 das instalações nacionais mais poluentes surgem ainda a central termoelétrica do Pego, da Tejo Energia, a refinaria de Sines, da Petrogal, o centro de produção de cimentos de Alhandra, da Cimpor, e ainda os aviões da TAP. Juntas, as cinco empresas representam 19,1% do total de emissões de dióxido de carbono de Portugal.

A Zero destaca que as centrais termoelétricas, as principais responsáveis pelas emissões de gases de efeito de estufa em Portugal, “têm mecanismos para remoção de grande parte de determinados poluentes atmosféricos, mas tal não é possível em relação às emissões de dióxido de carbono”. Já o aparecimento de uma empresa do setor da aviação numa posição cimeira é um sinal dos “aumentos consistentes ao longo dos últimos anos”, tendência que também envolve Portugal.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“É inevitável que as centrais fechem mais cedo ou mais tarde”

O presidente da associação, Francisco Ferreira, diz, em declarações à Antena 1, que “nas empresas que estão em causa, principalmente a EDP e a Tejo Energia, no que respeita ao uso do carvão, é inevitável que aquelas centrais fechem mais cedo ou mais tarde, e portanto aqui a questão é saber quando é que estas empresas o vão fazer”.

A EDP já fez saber que não irá fechar a central. Rui Teixeira, administrador da empresa com a área da produção, destaca à TSF que a central é a mais eficiente do país.

Relativamente aos setores mais poluentes, o transporte rodoviário aparece em primeiro lugar, representando 23,5% das emissões totais nacionais, seguido da produção de eletricidade, com 22,5%. A indústria cimenteira, os aterros, e a produção de gado são também importantes poluentes, de acordo com o ranking da Zero.

Para Francisco Ferreira, é a “enorme dependência do transporte individual que nos leva a estas emissões demasiado significativas da parte do transporte rodoviário”. Em declarações à TSF, o presidente da Zero sublinha que a solução passa pela “penalização do uso do automóvel” e também por “alternativas estruturantes, à escala do ordenamento do território, mas eficazes e possíveis desde já”. “Se Portugal apostasse nas energias renováveis”, afirma Francisco Ferreira, “conseguiríamos reduzir praticamente para metade as nossas emissões”.

 
Assine o Observador por 36,5€

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Revista best-of gratuita
  • Uma estadia de duas noites hotel da Small Portuguese Hotels
  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

Habilite-se a duas noites na rede Small Portuguese Hotels e receba a revista especial aniversário ao assinar um ano por 66€ 36,5€

10 estadias para duas pessoas 360 páginas, portes gratuitos, stock limitado

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

Habilite-se a duas noites na rede Small Portuguese Hotels e receba a revista especial aniversário ao assinar um ano por 66€ 36,5€

10 estadias para duas pessoas 360 páginas, portes gratuitos, stock limitado