PSD

Onde anda o Diabo? PSD às voltas para não mudar discurso

504

O Diabo não chegou, mas direção do PSD não deverá mudar o discurso. As notícias são boas, mas foram conseguidas à custa das exportações. E essa sempre foi a receita da direita, dizem.

CARLOS BARROSO/LUSA

Os ventos estão a soprar a favor do Governo. A maré favorável começou na semana passada, com o Instituto Nacional de Estatística a divulgar dados positivos ao nível da descida do desemprego e da subida das exportações, e continuou esta semana: Bruxelas deu luz verde à proposta de Orçamento do Estado para 2017, sem pedir alterações ou medidas adicionais, disse que Portugal deverá mesmo sair do procedimento por défices excessivos este ano; decidiu não sancionar o país com a suspensão dos fundos comunitários. E, surpresa das surpresas, a estimativa rápida do INE revelou que a economia cresceu 0,8% no terceiro trimestre deste ano, alcançando o melhor resultado dos últimos três anos e o melhor resultado de toda a zona euro. Então, onde anda o Diabo invocado por Pedro Passos Coelho, que chegaria em setembro?

Não anda, nem parece prestes a chegar, mas não é por isso que o PSD vai mudar a narrativa de que “é a economia que vai provar que o modelo do PS não funciona”. Só que para isso tem que dar algumas voltas e afinar os detalhes do argumento. A direção do PSD reconhece que as boas notícias “são sempre melhor para o país do que as más” mas lembra que o bom resultado do crescimento económico do terceiro trimestre foi acelerado pelo crescimento das exportações, que aumentaram 6,6% face ao ano passado, e não pelo investimento e o consumo interno — que era a fórmula mágica dos socialistas.

Pedro Passos Coelho passou esta quarta-feira no terreno. Primeiro, em Oeiras, depois, na Ericeira, tendo sido várias vezes questionado pelos jornalistas sobre os bons ventos que sopram a favor do Governo. “Não podemos senão mostrar satisfação quando as coisas correm melhor do que aquilo que se esperava”, começou por dizer, notando depois que o maior crescimento de julho a setembro se deveu ao maior crescimento das exportações e menor das importações. “Isso é bom” porque “o país só pode crescer sustentadamente para futuro se o fizer alavancado pelas exportações e não baseado no consumo interno, como o Governo defendia”. E o PSD “sempre disse que as exportações tinham de ser o motor do crescimento económico e o investimento tinha de ser o fator de consolidação desse crescimento”, sublinha uma fonte social-democrata ao Observador.

Os dados da estimativa rápida divulgados pelo INE esta terça-feira mostram que economia cresceu 0,8% entre julho e setembro, e 1,6% em relação ao mesmo trimestre do ano passado, o que torna a meta de crescimento do Governo para o fim do ano alcançável. O Governo previa um crescimento de 1,8% em 2016, tendo depois revisto em baixa para 1,2%, em linha com a estimativa da Comissão Europeia. É essa meta que agora espera alcançar, mas que o PSD lembra que, mesmo assim, fica abaixo do crescimento de 1,6% conseguido no final de 2015.

Antes, já o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, tinha ensaiado esse discurso: os números surpreendentes do crescimento económico do terceiro trimestre são uma “boa notícia para o país”, e “é positivo”, mas é preciso ir à raiz e perceber os porquês. “Queremos ver os dados desagregados e perceber se há uma base que possa sustentar um crescimento económico superior ao que é proposto pelo próprio Governo”, disse Montenegro, evidenciando que é preciso ver se há ou não condições para atrair e estimular o investimento, porque só assim se poderá “de forma sustentada marcar um ciclo de crescimento económico que seja duradouro”.

Estes números mostram que a economia no terceiro trimestre andou bastante melhor daquilo que era a expetativa e daquilo que resultaria da estratégia que o Governo decidiu”, disse Passos esta quarta-feira, insistindo na ideia de que Portugal está “a crescer por razões diversas daquelas que o Governo previu”.

Eis a afinação discursiva do PSD: o Diabo não vem por causa do atual Governo, o Diabo vem se o Governo insistir no modelo económico de crescimento por via da procura interna. Isto quer dizer que o Governo está a mudar e a “emendar a mão” como várias vezes Passos Coelho e outros dirigentes sociais-democratas sugeriram que fizesse? Nem por isso. “É cedo para dizer, mas se isto servir para o Governo perceber que deve emendar a mão, melhor”, ouve o Observador de uma fonte social-democrata. O rótulo de “melhor crescimento da zona euro” com que Portugal agora ficou na sequência dos resultados do terceiro trimestre deste ano baseia-se apenas numa estimativa rápida do INE, pelo que todos concordam que é preciso esperar por “dados mais concretos” e perceber se foi ou não um caso pontual.

Entre os sociais-democratas ouvidos pelo Observador, reina a lógica de que não vai haver mudança de discurso por causa de resultados de uma estimativa rápida do INE relativos a um trimestre, porque o fundo da questão se mantém. António Leitão Amaro, vice-presidente da bancada social-democrata e responsável pela área financeira, afirma que a forma de medir o sucesso do modelo de um Governo é: primeiro, ver se Governo cumpre as metas; depois, ver se o modelo e a receita que passou funciona; finalmente, verificar se o desempenho é melhor do que o do ano anterior. “A meta não pode ser não ter um novo resgate, a meta tem de ser melhorar em relação ao ano anterior”, diz, sublinhando que o crescimento económico em 2015 foi de 1,6% e que, mesmo com o crescimento de 0,8% no terceiro trimestre, a melhor perspetiva do Governo é chegar ao final do ano com um crescimento de 1,2%.

“Se antes íamos de mota, agora vamos de bicicleta, devagarinho, devagarinho”, diz Leitão Amaro. É tudo uma questão de expectativas e de ambição. “Se a expectativa for baixa, se for apenas não chumbar, é uma coisa, mas se a ambição for fazer melhor do que no ano passado, é outra coisa diferente”, sublinha.

Luz verde ao Orçamento, uma questão de expectativa e ambição

No dia em que se soube dos dados favoráveis do crescimento económico, soube-se também que o Conselho de Finanças Públicas alertava para o risco de incumprimento do Orçamento do Estado, que o Presidente da República preferiu desvalorizar, olhando para o copo meio cheio. Esta quarta-feira o copo encheu: Bruxelas deu luz verde ao Orçamento do Estado para 2017 sem pedir alterações nem medidas adicionais, assim como decidiu não suspender os fundos comunitários e manteve-se confiante de que Portugal sairá este ano do procedimento por défices excessivos.

No comunicado que emitiu sobre o Orçamento português, a Comissão Europeia carimbou o documento mas sublinhou que pode estar em risco de incumprimento. Quer isto dizer que o orçamento passou, por pouco, no crivo de Bruxelas, e que as autoridades europeias convidam o Governo a tomar medidas, se for necessário, para garantir que a meta do défice e a redução do défice estrutural ficam em linha com o acordado.

Boas notícias, mas nada que não fosse “expectável”, disse Passos Coelho esta quarta-feira. Tudo depende da ambição e das expectativas, dizem os sociais-democratas. “Nenhum Orçamento foi até agora chumbado em Bruxelas, era o que faltava se este fosse”, diz fonte social-democrata, sublinhando que a ambição não pode ser apenas não chumbar e não andar para trás. Deve ser fazer melhor do que antes, “e isso não está a acontecer. Não andámos para trás, ótimo, mas também não estamos a andar para a frente”, afirma.

A verdade é que o próprio PSD reconhece que o Governo do PS sempre alinhou as expectativas por baixo, e foi “mestre nisso”, e o PSD sempre se recusou a acreditar que, por este caminho, o Governo conseguiria cumprir as metas do défice e do crescimento económico. Em agosto, na última reunião da bancada parlamentar antes das férias, Passos Coelho diria, à porta fechada e num registo informal, que em setembro “viria o Diabo”, e pouco depois, defenderia que o Governo não ia conseguir chegar ao fim do ano com um défice menor que o de 2015, ou seja 3%. Poderá não ser bem assim.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos
239

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Rui Rio

Dr. Rio, deixe o PS em paz /premium

Rui Ramos
260

Rui Rio ainda quer fazer reformas estruturais com o PS. Mas porque é que o PS haveria de se comprometer em reformas com a direita? Para dar espaço a movimentos à sua esquerda? 

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)