A companhia aérea alemã Lufthansa melhorou esta sexta-feira a proposta de aumento salarial para os pilotos, passando-a de 2,5% para 4,4%, com vista a resolver um diferendo que já levou a várias greves.

Segundo a proposta divulgada esta sexta-feira pela empresa, o aumento seria em duas fases, com um aumento de 2,4% em 2016 e outro de 2% em 2017. Os pilotos receberiam também um pagamento único equivalente a quase dois meses de salário.

Os pilotos da companhia estão em greve desde quarta-feira, a 14.ª paralisação desde abril de 2014. A greve levou esta sexta-feira ao cancelamento de 830 voos na Alemanha e na Europa e para sábado foi anunciada a anulação de 137 voos, dos quais 88 são ligações intercontinentais.

Desde quarta-feira, a greve, convocada pelo sindicato Cockpit, provocou o cancelamento de 2.755 voos, afetando 345.000 passageiros. O sindicato ainda não respondeu à nova proposta da Lufthansa.

A companhia aérea quer também aumentar gradualmente a idade média de reforma dos pilotos até 2018 para 60 anos, em vez dos atuais 59 anos, à semelhança do que já acontece com a Lufthansa Cargo e com a companhia de baixo custo Germanwings. Cada dia de greve custa à Lufthansa cerca de 10 milhões de euros, segundo o jornal Bild.