Se há quem pratique o ritual do “chá das cinco” ao longo de todo o ano, também há quem encare as temperaturas baixas como desculpa para o fazer. Afinal, o consumo de bebidas quentes permite aquecer simultaneamente as mãos e o corpo. “E novidades?”, perguntará quem lê? Bom, a novidade é que segundo alguns estudos, citados pelo The Guardian, este tipo de bebidas quebra mais do que o gelo exterior.

Segundo o jornal britânico, não só existe um elemento psicológico na escolha de bebidas quentes como essas bebidas têm o poder de tornar as pessoas mais amigáveis. No decorrer de um estudo foi pedido aos participantes que qualificassem o quão acolhedores e confiáveis eram os estranhos que tinham à sua frente. Resultado: os participantes que seguravam uma caneca de café quente qualificaram os estranhos como sendo muito acolhedores e confiáveis. Já os que seguravam uma bebida fria qualificaram-nos de forma oposta.

Além disso, uma bebida quente nas mãos tornou os participantes mais generosos e menos egoístas. A explicação para este facto parece residir na noção enraizada no cérebro das pessoas sempre que usam palavras como “quente” ou “frio” para descrever personalidades.

A confirmarem-se estas conclusões, a expressão “falta de chá” pode ganhar todo um novo significado, atravessando a fronteira das boas maneiras e da pouca sofisticação para entrar no campo das personalidades difíceis.