São Tomé e Príncipe

Governo de São Tomé aprovou orçamento retificativo para 2017

O Governo são-tomense vai levar a parlamento para discussão e aprovação um orçamento retificativo para 2017, cujo valor não foi anunciado, indica um comunicado divulgado esta quinta-feira.

O orçamento retificativo foi discutido e aprovado nas últimas sessões do Conselho de Ministros

Inácio Rosa/LUSA

O Governo são-tomense vai submeter ao parlamento “nos próximos dias”, para discussão e aprovação um orçamento retificativo para 2017, cujo valor não foi anunciado, indica um comunicado divulgado esta quinta-feira.

O orçamento retificativo foi discutido e aprovado nas últimas sessões do Conselho de Ministros, o último dos quais realizou-se na quarta-feira. No comunicado, o executivo justifica que o Orçamento de Estado para 2017 em execução reflete “uma situação de défice e de dependência externa da economia e uma grande vulnerabilidade face aos choques externos”, marcados por “uma tímida retoma das principais economias mundiais” e por uma “real contração da ajuda pública ao desenvolvimento”.

“Atendendo a evolução errática da economia nacional, decorrente da conjuntura internacional, o governo adotou uma política provisional mais prudente” que diz obedecer às exigências do Fundo Monetário Internacional (FMI) que, consciente da fraca mobilização de recursos externos em 2016, “mantém as exigências do regresso a um défice de 1,8% em 2017”, explica o executivo são-tomense.

Por isso, este orçamento retificativo resulta da necessidade de um alinhamento mais inteligente das dificuldades conjunturais de mobilização de recursos externos com o programa económico e financeiro que o governo assinou com o FMI e demais agências internacionais de apoio ao desenvolvimento”, justifica o governo em comunicado.

O governo do primeiro-ministro Patrice Trovoada sublinha ainda que o orçamento retificativo “tornou-se inevitável” devido à “vontade expressa” dos governos são-tomense e chinês de “iniciar um ciclo de cooperação para o desenvolvimento traduzido em novas áreas de intervenção e novos financiamentos”.

O orçamento tem o propósito fundamental de ajustar as despesas às receitas, alinhando o desempenho global da economia nacional a uma sã disciplina macroeconómica e os objetivos estratégicos definidos pelo governo“, sublinha o comunicado.

O executivo diz que pretende “um orçamento mais justo” na repartição dos esforços que devem ser suportados pelos cidadãos e pelas empresas privadas”, lembrando que “a economia nacional padece de disfuncionamentos e desequilíbrios evidentes que se arrastam de longa data e que perpetuam uma repugnante injustiça sempre em detrimento dos mais fracos e mais desfavorecidos”.

O Orçamento do Estado para 2017, aprovado pela bancada da maioria parlamentar do partido Ação Democrática Independente (ADI), prevê despesas de um pouco mais de 133 milhões de euros, um acréscimo de 23,4% face à estimativa de execução orçamental até dezembro de 2016.

Aquando do debate no parlamento, a oposição exigiu do governo explicações sobre o que considera ser “um conjunto de anomalias” entre as quais a existência de despesas correntes num montante de 29% do valor global do OE, financiado por Taiwan, país com o qual São Tomé e Príncipe cortou relações diplomáticas em dezembro passado.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

União Europeia

A Europa Social em questão

António Covas

A UE terá de conceber e implementar, por via de uma “cooperação reforçada”, um programa de ação em matéria de espaço social europeu, à semelhança do que se fez com o mercado único ou a moeda única.

Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)