Rádio Observador

Alterações Climáticas

Ban Ki-moon profundamente dececionado com decisão de Donald Trump

O antigo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, mostrou-se profundamente dececionado com a decisão do presidente do Estados Unidos da América, Donald Trump, de retirar o país do Acordo de Paris.

O acordo histórico teve como "arquitetos" centrais os Estados Unidos

YONHAP/EPA

O antigo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, mostrou-se estab sexta-feira profundamente dececionado com a decisão do presidente do Estados Unidos da América (EUA), Donald Trump, de retirar o país do Acordo de Paris de luta contra as alterações climáticas.

Como ex-secretário-geral da ONU [Organização das Nações Unidas] só posso expressar a minha profunda deceção e preocupação com a recente decisão do presidente dos EUA de se retirar do Acordo de Paris.”

Donald Trump anunciou na quinta-feira a retirada dos EUA do Acordo de Paris – assinado em 2015 por quase 200 países e ratificado por 147 -, dizendo que este pacto coloca em “permanente desvantagem” a economia e os trabalhadores norte-americanos, tendo proposto renegociar um “melhor” e “mais justo”.

“Dado que os EUA são um dos maiores países emissores de gases com efeito estufa, esperamos que regresse ao acordo e exerça a sua liderança para a aplicação do mesmo”, refere Ban Ki-moon, que deixou o cargo de secretário-geral da ONU em dezembro, no comunicado hoje divulgado.

O político defende ainda que o acordo dá esperança ao planeta com base “na unidade e na solidariedade da comunidade internacional” e insta todos os estados membros a implementar o texto irrefutavelmente “apesar da decisão lamentável dos EUA”.

Entretanto, uma ex-enviada especial da ONU em matéria de alterações climáticas afirmou que a decisão dos EUA torna o país “um estado desonesto no palco internacional”. Mary Robinson fez estas declarações enquanto elemento de um grupo de líderes mundiais conhecido como The Elders. Num comunicado divulgado, o The Elders pede aos estados e empresas norte-americanos que tomem medidas onde o governo federal se retirou.

Além disso, o grupo refere ainda que a retirada dos EUA do Acordo de Paris enfraquece a confiança dos países em vias de desenvolvimento nos países desenvolvidos em relação a quem irá financiar os milhares de milhões de dólares necessários para combater as alterações climáticas.

Para o diretor do Programa das Nações Unidas para o Ambiente, Erick Solheim, a decisão do presidente norte-americano “não coloca um ponto final neste esforço imparável [de combate das Alterações Climáticas]”, considerando que a China, a Índia, a União Europeia e outros estão já a demonstrar uma forte liderança.

“Uma única decisão política não irá descarrilar este esforço incomparável”, referiu num comunicado divulgado esta sexta-feira.

Concluído em 12 de dezembro de 2015 na capital francesa, assinado por 195 países e já ratificado por 147, o acordo entrou formalmente em vigor em 4 de novembro de 2016, e visa limitar a subida da temperatura mundial reduzindo as emissões de gases com efeito de estufa.

Portugal ratificou o acordo de Paris em 30 de setembro de 2016, tornando-se o quinto país da União Europeia a fazê-lo e o 61.º do mundo.

O acordo histórico teve como “arquitetos” centrais os Estados Unidos, então sob a presidência de Barack Obama, e a China, e a questão dividiu a recente cimeira do G7 na Sicília, com todos os líderes a reafirmarem o seu compromisso em relação ao acordo, com a exceção de Donald Trump.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)