A Procuradora-Geral da Venezuela, Luisa Ortega Díaz, dissidente do Presidente Nicolas Maduro, está impedida de sair do país por decisão do Supremo Tribunal de Justiça (STJ).

O tribunal superior “fixou a audiência pública para 04 de julho” para decidir se a procuradora pode ser julgada pela Justiça e decidiu também congelar as suas contas bancárias e os seus bens, indicou o comunicado do STJ.

Luísa Ortega Díaz acusou esta quinta-feira o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) de estar “a desmantelar” o Estado e apelou aos venezuelanos para defenderem e restituírem o vigor da Constituição do país.

“O STJ é um dos primeiros atores que estão a boicotar a Constituição e não o permitirei”, disse, durante uma conferência de imprensa em Caracas.