Tech Auto

O cinto de segurança já o salvou? Agradeça à Volvo

118

Este mês, a patente daquela que é por muitos considerada como a principal invenção no que toca à segurança automóvel celebra 55 anos. O cinto de segurança de três pontos foi inventado por Nils Bohlin.

Foi em Julho de 1962 que a entidade norte-americana responsável pela atribuição de patentes (United States Patent Office) atribuiu ao engenheiro sueco da Volvo, Nils Bohlin, a patente n.º 3043625 pelo design do seu cinto de segurança de três pontos. Uma aprovação que surgiu três anos após a introdução desta inovação no mercado.

Foi precisamente em 1959 que a Volvo se converteu no primeiro construtor do mundo a equipar, de série, os seus modelos Amazon e PV544 com o cinto de segurança de três pontos, cujo design tinha tanto de simples como de eficaz, ao combinar um cinto diagonal e outro horizontal que, estando presos a um ponto de fixação baixo, colocado de forma lateral ao assento, formavam um “V” que se mantinha mesmo após um acidente.

Terá sido nessa mesma altura que Nils Bohlin solicitou a atribuição da patente, algo que só aconteceu três anos depois. No entanto, como relembra a marca sueca em comunicado, “alguns anos mais tarde, a Volvo demonstrou todo o seu compromisso com a segurança automóvel e viria a oferecer esta patente a todos os construtores para que estes a pudessem utilizar nos seus automóveis”. Dito de outro modo: “Isto significa que todos os condutores podem beneficiar de um pouco da tecnologia de segurança da Volvo, independentemente da marca que estejam a conduzir.”

Prémios Auto 2017 Observador - A escolha dos portugueses

Chegou ao fim a primeira edição dos Prémios Auto Observador. Obrigado pela massiva participação e pelos mais de 40.000 votos recolhidos. Entre 65 modelos a votação, envolvendo um total de 34 marcas, confira aqui os resultados finais.

Chegou ao fim a primeira edição dos Prémios Auto ObservadorVer resultados
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt
Futuro

Acessibilidade digital e valorização do interior

António Covas

Quando se fala do futuro próximo do interior é bom não esquecer que em 2030 a geração dos nativos digitais já terá pelo menos 30 anos e os ecossistemas digitais serão o quadro de atuação mais comum.

Liberalismo

Subir a Avenida da Liberdade no 25 de Abril

Sérgio Loureiro

Gostava mais se fôssemos subir a Avenida da Liberdade. Subir para chegar a um Portugal e uma Europa melhores. Subir para que a Liberdade seja individual e plena, e não apenas a tolerada pelo Estado.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site