Ataque sónico na capital de Cuba? A expressão está a ser usada por meios de comunicação social americanos para descrever os sintomas físicos que têm vindo a afetar vários americanos com ligação à embaixada dos Estados Unidos em Havana. O Departamento de Estado norte-americano reconhece que pelo menos 16 americanos sofreram de perturbações físicas com origem misteriosa que já levaram à evacuação de alguns destes funcionários para os Estados Unidos.

Os problemas de saúde, sobretudo ao nível da audição, começaram a ser detetados em 2016, tendo mesmo levado em alguns casos ao uso de aparelhos auditivos.

Um porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, revelou esta quinta-feira que pelo menos 16 pessoas, entre funcionários do Governo americano e familiares, sentiram algum tipo de sintomas. Os afetados receberam assistência médica nos Estados Unidos e em Cuba, tendo alguns optado por permanecer em território cubano.

Uma reportagem da CBS emitida esta semana revelou que americanos e canadianos a trabalhar em Cuba têm sido diagnosticados com perda de audição, náuseas, dores de cabeça e desordens no equilíbrio, chegando a ser identificados casos de danos no sistema nervoso central e traumas ligeiros ao nível do cérebro. De acordo com a estação americana, as autoridades americanas estavam a investigar se os diplomatas estavam a ser alvo de algum tipo de ataque sónico dirigido às suas residências que foram fornecidas pelas autoridades cubanas.

Os incidentes descritos já não estão a acontecer, acrescentou a porta-voz do Departamento de Estado. Os Estados Unidos não acusaram o governo cubano de estar por trás destes ataques, mas foram expulsos dois diplomatas do país em maio. Cuba já desmentiu qualquer ataque e diz que está a investigar as alegações feitas pelos americanos.