Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Numa altura em que os autarcas da zona afetada pelo grande incêndio de final de junho se queixam de eventuais desvios de donativos para apoiar vítimas dos fogos, o Governo vem explicar como funciona o fundo (REVITA) que criou para gerir donativos. Até agora, o REVITA já juntou 2 milhões de euros doados por cerca de 20 entidades. O PSD diz que número “contrasta de forma ridícula” com o que foi anunciado pelo Governo.

Num comunicado enviado às redações, o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social faz saber que “até à data aderiram ao fundo mais de duas dezenas de entidades, com donativos em dinheiro, em espécie e em prestação de serviços, tendo sido entregues donativos em dinheiro no valor de cerca de 2 milhões de euros”. O texto apenas explica como funciona o fundo criado pelo Governo, não faz qualquer referência às suspeitas levantadas esta terça-feira pelos presidentes das Câmaras de Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos. Nem ao que foi entretanto dito pelo PSD, numa conferência de imprensa.

Valdemar Alves, autarca de Pedrógão Grande, referiu em declarações à RTP: “Houve empresas públicas e particulares que abriram contas em nome dos incêndios de Pedrógão Grande e o destino desses valores nós não sabemos“. O autarca disse ainda que vai “desafiar” os autarcas vizinhos a informarem o Ministério Público sobre a situação.

Sobre esta situação, o Ministério da Solidariedade e Segurança Social remete para o comunicado que explica o funcionamento do REVITA e também que a competência do conselho de gestão deste fundo “cinge-se aos donativos entregues” ao mesmo — o que é feito por decisão específica dos doadores. Nos dias seguintes ao incêndio de Pedrógão, o Governo decidiu criar um fundo para “gerir os donativos entregues no âmbito da solidariedade demonstrada, em estreita articulação com os municípios de Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Do Conselho de Gestão do REVITA fazem parte, clarifica o Ministério, “um representante do Governo (do Instituto da Segurança Social, I.P.), um representante das câmaras municipais de Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande e um representante das instituições particulares de solidariedade social e associações humanitárias de bombeiros, a nível distrital”.

Governo compromete-se a pagar reconstrução de casas se donativos não chegarem

No início de Agosto, o Ministério do Planeamento e Infraestruturas previu a mobilização de cerca de 100 milhões de euros para a revitalização da área afetada pelo fogo na região centro. No quadro disponibilizado então à comunicação social, o Governo estimava que, para a reconstrução de habitações (a sua prioridade) iria dispor de 12,7 milhões de euros. Um valor que esperava ver coberto pelo Fundo de Apoio à Reabilitação, o REVITA. Até agora o valor está abaixo do estimado inicialmente e o PSD aponta o dedo ao Governo.

PSD quer Governo a esclarecer valor dos donativos

Numa conferência de imprensa ao final da manhã desta terça-feira, a vice-presidente do PSD, Teresa Morais, disse que o Governo chegou a falar de “13 ou 14 milhões de euros” no REVITA, considerando que os números conhecidos “contrastam em absoluto e de forma ridícula com aquela informação que circulou na opinião pública e publicada acerca dos valores que teriam atingindo os valores dos donativos privados. Revela por parte do Governo uma total descoordenação e incapacidade do Governo de gerir os próprios donativos privados”.

A social-democrata diz ainda que o PSD perguntou por duas vezes ao Governo pelo “valor exato” existente neste fundo e que a “respostas tardia do ministro da Solidariedade e da Segurança Social” deu conta de “1,9 milhões de euros transferidos para o fundo e um total de 3,2 milhões que serão uma declaração de intenções de transferência” — este valor corresponde a doadores que assinaram o processo de adesão ao fundo mas que ainda não depositaram o dinheiro.

Além disso, Teresa Morais ainda diz ser “absolutamente imperioso que o Governo esclareça o valor dos restantes donativos que não se encontram no fundo e que dê explicação sobre essas quantias e o destino que lhe está a ser dado”.

No comunicado enviado à comunicação social, o Ministério da Solidariedade e Segurança Social explica ainda que além do REVITA existem outras entidades que reuniram donativos, como a Cáritas Diocesana de Coimbra e a União das Misericórdias Portuguesas em conjunto com a Fundação Calouste Gulbenkian. E que o Governo está a cooperar no terreno com estas entidades.