Porto

Morreu D. António Francisco dos Santos, bispo do Porto, “um homem da tolerância”

3.654

D. António Francisco dos Santos, bispo do Porto, morreu na sequência de um ataque cardíaco. Ainda foi socorrido pelo INEM, mas acabou por morrer na residência episcopal. Tinha 69 anos.

Pedro Correia / Global Imagens

D. António Francisco dos Santos, bispo do Porto, morreu esta segunda-feira. Tinha 69 anos. A notícia foi avançada pela agência Ecclesia e confirmada pelo Observador. Entretanto, a diocese do Porto já atualizou a sua página da Internet com a informação da morte do prelado. A Câmara do Porto decretou três dias de luto.

Segundo apurou o Observador, D. António Francisco dos Santos sentiu-se mal esta manhã no Paço Episcopal do Porto e deu o alerta aos seus colaboradores mais próximos. O INEM ainda o socorreu no local, mas sem sucesso. O bispo do Porto acabou por morrer na residência episcopal na sequência de um ataque cardíaco.

D. António Francisco dos Santos foi ordenado bispo em 2005 e sucedeu a D. Manuel Clemente na liderança da diocese do Porto em fevereiro de 2014. Antes, tinha passado pela arquidiocese de Braga como bispo auxiliar e pela diocese de Aveiro como bispo titular, onde esteve sete anos.

O bispo nasceu em Tendais, concelho de Cinfães (Viseu), em 1948. Esteve nos seminários de Resende e de Lamego entre 1959 a 1971, tendo sido ordenado padre em 1972.

Licenciou-se em Filosofia em 1977 na École Pratique de Hautes Études Sociales, em Paris. No Instituto Católico de Paris, terminou o mestrado em Filosofia Contemporânea, em 1979, e tirou ainda o curso de Sociologia Religiosa.

D. António Francisco dos Santos era ainda presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana e vogal da Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé na Conferência Episcopal Portuguesa, refere a agência Ecclesia.

O presidente da câmara do Porto decretou três dias de luto, a partir desta segunda-feira, pela morte do bispo. Rui Moreira descreveu D. António Francisco dos Santos como uma “pessoa jovem e jovial, que tinha com as pessoas uma relação de enorme afetividade”, sublinhando ainda o “trabalho extraordinário” que estava a desenvolver “junto dos mais necessitados”.

“Tinha uma dimensão humana, religiosa e filosófica – era um filósofo, um homem da tolerância. (…) A cidade merecia ter um Bispo como o Sr. D. António Francisco. Ele esteve cá muito pouco tempo, mas deixa uma obra notável”, lê-se no comunicado da autarquia.

António Costa lamentou a morte do bispo do Porto, através do Twitter, referindo-se a D. António Francisco dos Santos como uma “referência inspiradora que transcende a diocese do Porto”. “Portugal perde um homem bom que eu apreciava escutar”, escreveu ainda o primeiro-ministro.

A Conferência Episcopal Portuguesa diz ter recebido a notícia da morte do bispo “com enorme tristeza e sentida consternação”.

D. Manuel Clemente, patriarca de Lisboa e Presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, considera que D. António Francisco dos Santos foi “entre todos nós, em Portugal, entre todos nós que o conhecemos e que tanto ganhamos com a sua convivência e com a sua ação, uma belíssima imagem do que é Cristo Bom Pastor que continua presente na Igreja e na sociedade em geral”.

“Na certeza da esperança, acreditamos que continua bem vivo entre nós o seu grande testemunho de Homem e Pastor simples e humilde, cheio de sabedoria e próximo das pessoas, intensamente dedicado aos seus diocesanos e sempre disponível para servir a Igreja em Portugal”, refere D. Manuel Clemente, citado no comunicado da Conferência Episcopal Portuguesa.

Este fim de semana, D. António Francisco dos Santos esteve em Fátima a presidir à peregrinação anual da diocese do Porto àquele santuário, em que participaram milhares de peregrinos.

O padre Carlos Cabecinhas, reitor do Santuário de Fátima, também lamentou a “morte súbita” do bispo, sublinhando “o entusiasmo e a felicidade com que presidiu à celebração da Peregrinação Diocesana “.

“São coisas que guardamos na memória e que manifestam a sua proximidade à mensagem de Fátima e o seu empenho na sua difusão.”

Corpo vai estar em câmara ardente. Funeral realiza-se na quarta-feira

O corpo vai estar em câmara ardente na Sé Catedral a partir das 17h00 desta segunda-feira e o funeral realiza-se na quarta-feira, às 15h00, informou à Lusa fonte da Diocese. De acordo com a mesma fonte, também na terça-feira o corpo do bispo do Porto vai estar em câmara ardente na Sé Catedral “entre as 9h00 e a meia-noite”.

O funeral realiza-se às 15h00 de quarta-feira, na Sé Catedral, acrescentou a mesma fonte. De acordo com fonte da Diocese do Porto, António Francisco dos Santos deverá ser sepultado na Sé Catedral do Porto, mas tal ainda está sujeito a uma decisão do Cabido.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rporto@observador.pt
Investimento público

A tragédia de Pedro Marques

Inês Domingos
211

Com um quadro Centeno confessou inadvertidamente como foi um dos principais responsáveis pelo desastre de atuação de Pedro Marques, sendo que este também não foi capaz de aplicar os fundos de Bruxelas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)