Rádio Observador

Supercarros

Ferrari prepara-se para bater Mercedes-AMG One e Aston Martin Valkyrie

No que respeita a superdesportivos, a Ferrari não gosta de perder nem a feijões. Ainda antes da Mercedes e Aston Martin apresentarem a versão de série dos seus supercarros, eis o FXX K Evoluzione.

A vida é mesmo assim. Quando alguém é considerado o maior no que quer que seja – e em matéria de superdesportivos, a Ferrari é decididamente um dos fabricantes mais respeitados do mercado –, nada de jogar à defesa. Assim que um adversário ameaça a liderança, a melhor resposta é mesmo o ataque.

Vem isto a propósito de um Ferrari FXX K muito especial que foi visto a esmagar os recordes na pista italiana de Monza, a mesma que acolheu o recente Grande Pémio de Fórmula 1 (F1) em Itália, revelando um andamento impressionantemente rápido, ainda que em versão completamente camuflada.

O FXX K ‘normal’ já era um carro fantástico, quando foi apresentado em 2015 e do qual a Ferrari anunciou produzir apenas 40 unidades, desde logo todas vendidas. Aliava um imponente e nobre motor V12 atmosférico, com 850 cv e capaz de girar até às 9.250 rpm, aliado a um motor eléctrico de 190 cv, alimentado por uma solução similar à Hy-Kers que equipa os F1. No total, eram 1.050 cv, à disposição de uma carroçaria muito aerodinâmica que, mesmo sem asas proeminentes, era capaz de gerar 540 kg de downforce a apenas 200 km/h.

Tal como aconteceu anteriormente com o 599XX e o FXX, o FXX K foi concebido para que clientes muito especiais se divertissem em pista – basicamente, o significado da sigla XX –, o que aliás é garantido quando associamos um chassi com 1.495 kg com uma potência de 1.050 cv, o que dá uma relação peso/potência de 1,42 kg/cv.

Agora que está para breve a apresentação das versões de série do Mercedes-AMG One e do Aston Martin Valkyrie, ambos a apontar para uma relação de 1 kg/cv, a Ferrari não quer ficar atrás e resolveu apimentar o FXX K, criando a versão Evoluzione, exactamente aquela que foi possível ver em Monza, em fase de testes finais, uma vez que tudo parecia funcionar na perfeição.

As imagens agora disponíveis, captadas pelo youtuber 19Bozzy92, revelam um superdesportivo ainda mais assanhado, com uma asa generosa na traseira, um difusor posterior de tamanho familiar e um splitter à frente, sob o pára-choques, que cola o que quer que seja ao chão, para que o FXX K Evoluzione tenha ainda mais aderência no trem dianteiro em curva.

A Ferrari ainda não confirmou a existência deste modelo nem a sua vontade de o produzir, mas a realidade é que com a chegada do AMG One e do Valkyrie, a casa de Maranello dificilmente se poderá dar ao luxo de ficar a ver a banda passar, com uma gama cheia de modelos lindíssimos, mas todos eles abaixo dos 1.000 cv. Para vergonha, já basta os Bugatti e os Koenigsegg de 1.500 cv, já para não mencionar os superdesportivos eléctricos, que cada vez há mais.

Como não é muito fácil reduzir o peso do FXX K Evoluzione, que é bom recordar deriva do Enzo – e o enorme motor V12 com 6,3 litros tão pouco ajuda neste domínio –, a marca italiana vai ter de encontrar mais uns cavalos extra para reforçar a ganadaria. E basta montar um segundo motor eléctrico para ultrapassar os 1.200 ou até mesmo os 1.300 cv.

Mas agora, a menos que tenha por aí à mão cerca de 2,5 milhões de euros (o valor mínimo pelo qual a Ferrari admitirá separar-se de um dos seus novos FXX K Evo), regresse ao vídeo e delicie-se de novo com o cantar deste motor V12. E se há quem afirme que o FXX K Evo seja para uso exclusivo em pista, não é difícil para um construtor como a Ferrari convertê-lo para uma utilização em estrada. Pelo menos, não será mais complicado do que para uma Mercedes ou Aston Martin.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)