Rádio Observador

Salão de Frankfurt

1000 cv. Este é o Mercedes de F1 que pode circular na estrada

369

Depois de muitos teasers, a Mercedes revelou finalmente o AMG One. Possui um motor 1.6 V6 sobrealimentado, idêntico aos F1 da casa, e quatro motores eléctricos. No total fornece mais de 1.000 cv.

Se o seu nome não é Lewis Hamilton, ou Valtteri Bottas, comprar um destes 275 supercarros que a Mercedes vai construir é a sua única possibilidade de conduzir qualquer coisa semelhante a um F1 moderno. O Mercedes-AMG Project One herda a mecânica de um F1, um V6 com apenas 1,6 litros, soprado por um único turbocompressor, e recorre a um sistema de sobrealimentação similar, o que lhe permite usufruir de um dos quatro motores eléctricos que possui, para evitar que o turbo tenha atraso na resposta ao acelerador. De caminho, este mesmo motor eléctrico (com cerca de 120 cv), produz energia a partir dos gases de escape, sempre que se desacelera, por exemplo.

Se o primeiro motor eléctrico está de serviço ao turbocompressor, e faz de gerador de corrente em algumas situações, há um segundo motor eléctrico, este substancialmente mais potente, com 161 cv, que está ligado à cambota. É alimentado pela bateria e ajuda o motor de combustão a enviar para as rodas traseiras um total de 670 cv.

Sob a roupagem do AMG One está muito do F1 da Mercedes, a começar pelo motor 1.6 V6 Turbo

A Mercedes não revelou qual é a potência do motor 1.6 V6, afirmando apenas que tem o seu regime limitado às 11.000 rpm (em vez das 15.000 rpm originais), para conseguir uma maior longevidade da mecânica e permitir-lhe funcionar com gasolina comercial de 98 octanas. Não se pode, pura e simplesmente, retirar 161 cv aos 670 cv para ficarmos com a potência do motor de combustão, pois a potência do motor eléctrico é modulada e é bem possível que próximo do regime máximo do V6, o motor eléctrico “ajude” com muito pouca potência, se alguma, uma vez que serve sobretudo para lançar o carro quando o motor de combustão gira nos regimes baixos e médios.

Continuando a nossa contagem dos motores eléctricos do AMG One, podemos encontrar os dois que nos faltam (ambos com 161 cv cada e capazes de girar a 50.000 rpm, em vez das habituais 20.000) no trem dianteiro, que transformam este superdesportivo num modelo de tracção integral, pelo menos enquanto a bateria durar. Sabemos somente que, em modo eléctrico e apenas com tracção à frente, o One é capaz de percorrer 25 km em modo 100% eléctrico. Mas é certo que estes dois motores no eixo dianteiro, além de fornecerem potência, geram energia nas desacelerações e travagens, segundo a Mercedes, aproveitando até 80% da energia tradicionalmente perdida durante esta fase.

Será capaz de bater a concorrência?

Ora aqui está uma resposta a que ainda não é possível responder. Mas lá que a máquina da Mercedes promete, isso é uma realidade. Para começar, a marca alemã anuncia que conseguiu um rendimento de 40% do motor térmico, algo similar ao que a Toyota anuncia para o Prius (um motor convencional oscila entre os 33 e 38% de rendimento), mas que é muito mais difícil de atingir num motor superdesportivo como este que, é sempre bom recordar, é similar ao que equipa os F1 de Hamilton e Bottas.

Depois, e como os F1 são mais leves do que o One e apenas podem utilizar durante alguns segundos, por regulamento, toda a potência dos seus motores eléctricos, a Mercedes quis que o One dispusesse dos 1.000 cv durante mais tempo, basicamente para evitar a crítica de Adrian Newey – o engenheiro que concebeu os Red Bull de F1 que deram quatro campeonatos do mundo a Vettel e é o pai do Aston Martin Valkyrie, grande rival deste AMG One – que afirmou necessitar para o seu supercarro de um motor térmico maior, pois, acredita ele, um carro de estrada precisa de ter sempre disponíveis os 1.000 cv e não apenas durante um bocadinho.

Assim, recorrendo ao mesmo sistema da F1 a 800 V (o dobro dos actuais carros eléctricos, mas o mesmo valor que o Grupo Volkswagen está a desenvolver e que deveremos ver pela primeira vez no Porsche Mission E), o One carrega mais baterias do que um F1, pois se estes alojam cerca de 40 kg de acumuladores de iões de lítio no seu interior, o novo superdesportivo atinge os 100 kg, possuindo quatro vezes mais células no seu interior.

A marca alemã anuncia mais de 350 km/h de velocidade máxima e menos de 6 segundos de 0 a 200 km/h, o que são excelentes valores. Mas, por exemplo, a velocidade máxima é similar à anunciada pelo Ferrari LaFerrari de 963 cv (também ele híbrido, mas com 800 cv no motor de combustão), isto enquanto o Bugatti Chiron e o Koenigsegg Regera passam folgadamente dos 400 km/h (420 e 410, respectivamente). Vamos ter de esperar um pouco mais até o One anunciar ao mundo todo o seu potencial, sobretudo tudo aquilo que implique dispor da carga da bateria durante um período superior, como 0-300 km/h (na ausência de 0-400) e os 1.000 metros com arranque parado.

Do habitáculo pouco se sabe, apenas que o banco é fixo e são os pedais e o volante que se regulam à vontade do condutor. Os discos de travão são em carbocerâmica, os pneus Michelin Pilot Sport Cup 2 e o One ainda possui uma asa móvel na traseira, que age como travão aerodinâmico durante as travagens mais violentas. A caixa de oito velocidades é manual robotizada e faz parte integrante do chassi, a ponto de até as suspensões posteriores estarem fixas nos cárteres da caixa, como aliás acontece na F1. O preço, esse, foi fixado nos 2.275 milhões de euros e, ao que parece, todas as 275 unidades estão já apalavradas.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)