Rádio Observador

Autárquicas 2017

António Costa irrita-se e interrompe entrevista à Renascença a meio

2.118

Primeiro-ministro terminou abruptamente uma entrevista à Rádio Renascença, esta quarta-feira à noite. Secretário-geral do PS encaminhou as questões para Manuel Pizarro.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

A entrevista decorria no carro de António Costa. Aproveitando uma viagem entre a Maia e o Porto, e depois de ter entrevistado todos os líderes partidários à exceção do secretário-geral do PS, a Rádio Renascença acompanhava o socialista entre ações de campanha. Falou-se sobre um protesto de enfermeiros, sobre professores e, finalmente, sobre os cenários eleitorais para a gestão do Porto. Foi aí que Costa cortou: “Esta entrevista é melhor fazer ao Manuel Pizarro. Está concluída.” Sem mais.

Não foram mais de cinco perguntas, a julgar pela transcrição da conversa que a Renascença publicou no seu site. Menos de dois minutos de pergunta e resposta. Quatro das questões incidiram sobre as eleições para a câmara do Porto, uma corrida para a qual o PS lançou Manuel Pizarro como cabeça de lista, numa solução de recurso depois de o atual vereador (com responsabilidades no executivo até há poucos meses) e Rui Moreira se terem incompatibilizado. O independente Moreira rejeitou o apoio do PS e Pizarro, que estava nas listas do presidente, passou para uma pista própria.

Foi precisamente quando os jornalistas tentavam perceber como se vai posicionar o PS no pós-eleições, caso nenhum dos candidatos consiga chegar à maioria dos mandatos, que Costa deu a entrevista por terminada. “Se não houver uma maioria absoluta, o PS está disponível para voltar a conversar com Rui Moreira?”, perguntaram os jornalistas. Costa empurrou o tópico para o candidato do PS. “Esses assuntos tem de perguntar ao candidato Manuel Pizarro, eu não falo sobre os assuntos da concelhia”, disse o secretário-geral do PS.

Não será tanto assim. Quando as relações a norte começaram a esfriar, o próprio António Costa interveio na escolha do candidato do PS ao Porto. Segundo escreveu o jornal Público em maio, o líder socialista ligou ao presidente da concelhia e deputado à Assembleia da República, Tiago Barbosa Ribeiro, dando conta de que o partido teria de apresentar o seu nome às eleições. Por “uma questão de dignidade partidária”.

Desta vez, Costa — que vai encerrar na cidade do Porto a campanha do PS para as autárquicas — preferiu deixar o assunto para outros. “Não vou falar sobre esse assunto”, disse, segundos antes de interromper a entrevista a caminho do Porto. O jornalista fez referência a uma proximidade das posições dos candidatos do PS e do PSD naquela cidade, mas já não obteve mais respostas. “Esta entrevista é melhor fazer ao Manuel Pizarro, está bem?” Ainda um pedido para continuar, mas Costa cortou de imediato: “Está concluída, está concluída. Muito obrigado.” E repetiria. “Está concluída, muito obrigado.”

A tensão manifestada pelo secretário-geral do PS não tinha, porém, começado dentro do carro. Ao sair de um comício na Maia, antes de começar a entrevista, Costa era esperado por cerca de 100 enfermeiros e professores. Queriam pedir “justiça” e entregar uma carta aberta ao também primeiro-ministro. “O Ministério da Educação tem estado a falar convosco”, chegou a dizer o líder socialista. “Pense em nós, na nossa solução, nas nossas reivindicações”, chegou a dizer um dos manifestantes. “Até o provedor de justiça nos deu razão!”, gritou outra, num episódio registado pela agência Lusa.

Por duas vezes, no trajeto entre o pavilhão e o carro, foi o próprio Costa quem pediu “calma” a elementos do seu corpo de segurança pessoal. “Calma, calma, espere aí, espere aí”, diz a um dos elementos que afastava os manifestantes para abrir caminho. Já perto do carro, o socialista voltou a intervir. “Pense em nós”, dizia uma das manifestantes quando o agente da PSP se colocou entre Costa e a mulher. “Desculpe lá, não empurre as pessoas“, começou por dizer. Para depois pedir (no tom que mais soava a ordem) ao mesmo agente: “Pode-se afastar? Pode afastar. Bem.” E o homem desaparece do plano de reportagem da SIC.

A conversa seguinte não correu de feição ao secretário-geral do PS, que por alguns minutos vestiu a pele de primeiro-ministro. Uma professora recordou Costa da promessa de uma solução para o problema de colocação dos docentes, o governante respondeu que foi prometida uma audição; Costa diz que os sindicatos estão em diálogo com o ministério da Educação, a mulher diz-lhe que “os sindicatos não foram ouvidos”; o socialista ainda diz que haverá, para o ano, um novo concurso, mas a resposta é a de que o concurso não resolve” a situação. Nada feito naquela troca de bolas. O primeiro-ministro remete a conversa para uma mesa no Ministério da Educação e fecha o debate, para entrar de seguida no carro.

Foi por aí que a entrevista começou. Que podia dizer o primeiro-ministro ao manifestantes, perguntaram os jornalistas. “As negociações com os enfermeiros têm vindo a decorrer normalmente no Ministério da Saúde e é lá que devem decorrer e não à porta de ações partidárias”, respondeu sobre os enfermeiros. “Quanto aos professores, foram colocados em escolas para as quais concorreram, não estão satisfeitos com a colocação, têm direito a reclamar, podem reclamar, mas não podem naturalmente ter uma solução administrativa que prejudique os outros colegas que foram ao mesmo concurso e que ficaram colocados na frente deles”.

Depois, os tópicos sobre o Porto. E o fim da entrevista. “Concluída!”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

O que é que fizeram à direita? /premium

André Abrantes Amaral

O PSD que vai a votos a 6 de Outubro não é o que governou entre 2011 e 2015. É o PSD de Rui Rio, de Pacheco Pereira e de Ferreira Leite. É o PSD dos que concertadamente comentam realidades virtuais.

Política

8 discursos universais

João Araújo

Os discursos universais são o instrumento que permite inocular grandes doses de narrativa inativada gerando um espaço público pimba ao imunizar as pessoas contra o que realmente conta: a substância.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)