Prestes a deixar o cargo de ministro das Finanças do Governo de Angela Merkel, Wolfgang Schäuble deu uma entrevista ao jornal Financial Times pautada pelo pessimismo com que olha para a economia ao nível global e para os desafios da Europa em particular. Schäuble deixa mesmo um aviso: podemos estar a caminhar para uma nova crise financeira a nível mundial, desta vez causada pela escalada da dívida e pelo excesso de liquidez, fruto das baixas taxas de juro praticadas.

A um dia de participar na última reunião do Eurogrupo como ministro das Finanças alemão, Schäuble disse que a injeção de milhares de milhões de dólares na economia que os bancos centrais têm vindo a fazer, pode levar à formação de “novas bolhas”. E num cenário destes a Zona Euro não está a salvo.

“Economistas do mundo inteiro estão preocupados com o risco da acumulação de cada vez mais liquidez e da subida da dívida pública e privada. Eu também estou”, afirmou.

E deixou um conselho: “Temos de assegurar que somos suficientemente resilientes, caso tenhamos de enfrentar uma nova crise económica. Não teremos este clima económico positivo como temos agora para sempre”.

Brexit? É o que dá ouvir demagogos…

Europeísta convicto, Wolfgang Schäuble falou ainda sobre o Brexit para dizer que o referendo em que os britânicos escolheram a saída da União Europeia demonstrou o quão “tonto” é dar ouvidos a “demagogos que dizem: ‘estamos a pagar demasiado pela Europa'”. “A esse respeito deram um grande contributo para a integração Europeia, mas creio que a curto prazo isso não vai ser bom para a Grã-Bretanha”, concluiu.

Wolfgang Schäuble esteve durante oito anos à frente de uma das mais fortes economias do mundo e vai agora abandonar o Governo liderado pela Chanceler Angela Merkel para se tornar o presidente do Bundestag, o parlamento alemão.