Rádio Observador

Supervisão Bancária

Banco de Portugal critica proposta para nova supervisão

Apesar de concordar "em termos genéricos" com as principais propostas do grupo de trabalho liderado por Carlos Tavares, o Banco de Portugal defende que não incorpora totalmente as regras europeias.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O Banco de Portugal concorda “em termos genéricos” com as propostas do grupo de trabalho (liderado pelo ex-presidente da CMVM, Carlos Tavares). Contudo, alerta que o relatório falha ao não levar em conta, de forma plena, as mudanças que entretanto existiram na supervisão bancária europeia, que tem sempre supremacia sobre qualquer modelo à escala nacional que os países concebam.

“Em termos genéricos, o Banco de Portugal concorda com a recomendação do Grupo de Trabalho no sentido de se manter um modelo de supervisão de base setorial para os setores bancário, segurador e do mercado de valores mobiliários”, afirma o Banco de Portugal em comunicado publicado esta quinta-feira.

Com efeito, “o Banco de Portugal reconhece igualmente existirem, no atual modelo, oportunidades de significativo aperfeiçoamento dos instrumentos e procedimentos de coordenação e partilha de informações entre as autoridades de supervisão setorial, assim como concorda com o reforço do papel do Ministério das Finanças na arquitetura nacional de preservação da estabilidade financeira”.

Contudo, a instituição liderada por Carlos Costa critica o relatório por “não acautelar suficientemente a evolução recente da arquitetura europeia da supervisão financeira”. O ponto de vista do Banco de Portugal parte da “relevante experiência” que já foi possível recolher nos últimos anos, na interação entre o Banco de Portugal e as novas entidades de supervisão europeias — uma experiência que “não deve deixar de ser valorada”.

A União Bancária veio redefinir amplamente os poderes do Banco de Portugal enquanto autoridade de supervisão e autoridade de resolução. Adicionalmente, a experiência já adquirida pelo Banco de Portugal relativamente ao funcionamento destas estruturas europeias criadas com a União Bancária aconselha soluções diferentes das preconizadas no referido Relatório tendo em vista a salvaguarda dos interesses nacionais”.

Em concreto, o Banco de Portugal critica, por exemplo, que no relatório de Carlos Tavares se diga que “autoridades nacionais mantêm toda a competência sobre as instituições menos significativas”. A instituição liderada por Carlos Costa diz que não é bem assim: o “pilar da supervisão microprudencial é (…) enquadrado por uma forte integração europeia”, sublinha o Banco de Portugal. Na área da resolução, “as autoridades nacionais de resolução mantêm apenas uma competência circunscrita e não plenamente autónoma (mesmo) sobre as instituições menos significativas”, sublinha o Banco de Portugal.

O Banco de Portugal sublinha que “o papel primordial do banco central na política macroprudencial tem de ser efetivo e consequente” — e o Banco de Portugal deve ter “um papel de liderança na condução da política e que deve ser entendido como tendo capacidade decisória real”.

Isso “não invalida a necessidade de manter um mecanismo que assegure a devida articulação com outras autoridades relevantes, em particular, as restantes autoridades de supervisão e, no quadro da salvaguarda da estabilidade financeira globalmente considerada, com o próprio Ministério das Finanças”, diz o Banco de Portugal. Mas essa articulação deve acontecer no seio do proposto Comité de Supervisão e Estabilidade Financeira (“CSEF”), que substituiria o Conselho Nacional de Estabilidade Financeira, cuja configuração não terá sido eficaz por não facilitar a troca de informação entre os membros.

Após a queda do BES, houve acusações entre supervisores sobre a falta de trocas de informação necessárias à atuação de cada um, entre CMVM e Banco de Portugal. Carlos Tavares, que era presidente da CMVM na altura da resolução do BES e do Banif, disse posteriormente que se já existisse um novo modelo de supervisão nos anos anteriores à queda desses bancos, “teria havido menos assimetria de informação”.

Na proposta do grupo de trabalho, esse CSEF deveria “assegurar a troca institucionalizada e regulada de informações e a coordenação da atuação dos supervisores setoriais”, com uma administração própria. Contudo, no comentário feito esta quinta-feira, o Banco de Portugal defende, ao invés, que não deve haver uma liderança autónoma mas, sim, uma presidência rotativa entre Banco de Portugal, CMVM e ASF [seguros e fundos de pensões]”.

“Preconiza-se que seja antes adotada uma presidência rotativa do CSEF, com mandato de dois anos e sem direito de voto nessa qualidade, pelos Presidentes da ASF e da CMVM e pelo Governador do Banco de Portugal”, pode ler-se no comentário do Banco de Portugal. Isso ajudaria, por exemplo, a “acautelar a independência dos três supervisores financeiros nacionais face a entidades ou personalidades externas aos seus órgãos de decisão e gestão, e, no que tange especificamente ao Banco de Portugal, em obediência ao imposto pelo exposto enquadramento europeu”.

O que deve, sim, sair da competência do Banco de Portugal — como Carlos Costa já referiu várias vezes nos últimos anos — é a resolução bancária.

Resolução bancária deve sair, mas para uma autoridade autónoma

“Contrariamente ao que é preconizado pelo Grupo de Trabalho, que advoga a recondução da função de resolução bancária ao CSEF, o Banco de Portugal perfilha antes um modelo assente na criação de uma Autoridade Nacional de Resolução autónoma, entidade com personalidade jurídica e funcionando junto do Banco de Portugal”, defende o Banco de Portugal.

Como iria funcionar? “Estabelecer-se-ia, no âmbito desta Autoridade, um Conselho de Resolução, presidido pelo ministro das Finanças ou um seu representante, integrando ainda, além de personalidades a indicar pelo Ministério das Finanças, o Governador do Banco de Portugal e um membro do conselho de administração do Banco de Portugal com o pelouro da resolução bancária, bem como os Presidentes da ASF e da CMVM, os quais em caso de situações de resolução bancária deteriam estatuto de observadores e, por essa via, seriam envolvidos e informados da conceção, adoção e execução das medidas de resolução”.

“Deveria, assim, competir ao Conselho de Resolução, e em particular ao Ministério das Finanças, a liderança do processo de decisão conducente à adoção e execução de medidas de resolução bancária que se inscrevam, fora do âmbito do MUR, na margem de decisão e discricionariedade nacionais”, conclui o Banco de Portugal.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)