Rádio Observador

Supervisão Bancária

Banco de Portugal. Gestores selecionados por concurso, governador nomeado pelo Presidente

Administradores nomeados só depois de seleção por concurso e governador do Banco de Portugal nomeado pelo Presidente da República, são propostas para mudar a supervisão financeira.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O Presidente da República vai passar a nomear o governador do Banco de Portugal, de acordo com a proposta do relatório do Grupo de Trabalho para a Reforma do Sistema de Supervisão Financeira. O documento apresentado esta segunda-feira prevê que a nomeação seja feita a partir da proposta do Governo e depois da audição da Assembleia da República que terá poder de oposição. Este modelo de nomeação irá estender-se ao presidente do novo órgão, o Conselho de Supervisão e Estabilidade Financeira (CSEF), que ficará com as competências de supervisão macroprudencial e de resolução, atualmente atribuídas ao Banco de Portugal.

Já para a generalidade dos dirigentes executivos do sistema de supervisor, incluindo presidentes, vice-presidentes e administradores, o relatório defende um novo modelo uniforme “que deve incluir a abertura de procedimentos públicos de que resulte uma pré-seleção de candidatos“. Será a partir desta pré-seleção, que o Governo irá proceder à nomeação dos futuros gestores, que terá de ser confirmada pelo parlamento. Este modelo aproxima-se da modalidade adotada na nomeação de chefias em cargos do Estado, que são escolhidas pelo membro do Governo a partir de uma short-list de três candidatos escolhidos por concurso realizado pela Cresap (Comissão de Recrutamento e Seleção da Administração Pública).

Atualmente, os administradores são propostos pelo governador, mas quem decide é o governo. Esta dupla competência criou este ano um impasse na nomeação de gestores para o Banco de Portugal, depois do Ministério das Finanças ter rejeitado nomes indicados por Carlos Costa.

Na proposta agora conhecida, a nomeação política fica limitada ao governador do Banco de Portugal e ao presidente do novo órgão de supervisão. Caso estas regras sejam aprovadas, caberá a Marcelo Rebelo de Sousa nomear o sucessor de Carlos Costa, cujo mandato termina em 2020. A nomeação do atual governador foi feita a poucos meses das eleições de 2015, por iniciativa do então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, contra os partidos da oposição, tendo lançado um debate político aceso. O PS sempre teve a intenção de mexer nas regras de supervisão financeira.

O regime de nomeações dos administradores dos órgãos de supervisão financeira é uma das novidades no relatório coordenado por Carlos Tavares, antigo presidente da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários, e que irá entrar em consulta pública até ao dia 20 de outubro. Para além de um novo órgão para a resolução bancária, o modelo prevê a constituição de uma outra entidade, o Conselho Superior de Política Financeira, para reforçar a articulação e cooperação de todas as entidades, em nome de estabilidade financeira, e que será presidido pelo ministro das Finanças.

Resolução fora do Banco de Portugal para evitar conflitos

O documento, que pode ser consultado aqui, prevê que o Banco de Portugal mantenha a atividade de supervisão bancária, mas retira ao BdP as funções de supervisão macroprudencial e de resolução bancária de forma a ultrapassar conflitos de interesses detetados no atual modelo. Carlos Tavares justifica a separação da resolução bancária das atividades do Banco de Portugal, sublinhando que a existência de órgãos distintos, liderados por pessoas distintas, está em linha com as recomendações da diretiva europeia.

A principal finalidade é prevenir conflitos de interesse, nomeadamente na hora de tomar decisões sobre a alienação ou gestão dos bancos resolvidos. Esta tensão foi sobretudo visível no caso da resolução do BES/Novo Banco em que o Banco de Portugal impôs decisões polémicas e penalizadores para investidores, enquanto entidade de resolução, ao mesmo tempo que procurava conquistar investidores para comprar ou investir na instituição.

O Banco de Portugal continuaria a desempenhar todas as competências de supervisão bancária até à resolução, mantendo as atuais responsabilidades em caso de liquidação. Ou seja, continua a ser função do BdP acompanhar a recuperação das instituições e avaliar a sua eventual inviabilidade.

Na arquitetura proposta, o Conselho de Supervisão e Estabilidade Financeira (CSEF) substitui o atual Conselho Nacional de Supervisores Financeiros (CSNF) e assume a missão de “coordenação da atuação das autoridades setoriais de supervisão do setor financeiro” que mantêm o seu foco setorial: Banco de Portugal, Comissão de Mercado de Valores Mobiliários e Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões.

Apesar deste papel de coordenação é ao Banco de Portugal que o novo CSEF vai buscar mais competências, nomeadamente a regulação macroprudencial, que passa por identificar e avaliar os riscos sistémicos e medidas de prevenção e mitigação que incluem definir quais são os bancos com importância sistémica. Este órgão, cujo futuro presidente também seria nomeado pelo Presidente da República, seria financiado pelos outros três supervisores.

Para o ministro das Finanças, a proposta ” é moderada e equilibrada, de rápida e segura implementação, sem exigir um processo de transição longo ou dispendioso e sem o risco de diminuição da capacidade de atuação das autoridades de supervisão durante esse período de transição”. Mário Centeno destaca o facto de não impor uma rutura com o modelo atual, deixando a porta aberta a uma reforma mais profunda, caso se conclua pela sua necessidade.

O que tem falhado no atual modelo

O grupo de trabalho avaliou ainda o atual modelo de supervisão financeira, tendo concluído que a separação setorial não responde bem à evolução dos mercados e serviços financeiros marcada por uma crescente integração, pela maior liberdade de prestação de serviços e pela emergência dos chamados produtos complexos que combinam depósitos, investimento e seguros. Entre as limitações detetadas estão:

  • Potencia conflitos de interesse na prossecução de interesses distintos ligados à supervisão prudencial — que tem como objetivo assegurar a solidez das instituições financeiras — e à supervisão comportamental — que procura proteger investidores e clientes.
  • Favorece atuação fragmentada por parte dos reguladores setoriais, o que dificulta a supervisão integrada e transversal de grupos financeiros.
  • Mecanismos de coordenação entre os reguladores têm-se mostrado insuficientes.
  • Sobreposição de competências de vários reguladores ao mesmo tempo que emergem zonas cinzentas que parecem escapar às competências e responsabilidades de todos.

O documento considera que os desenvolvimentos resultantes da regulação europeia têm vindo a agravar estas falhas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)