Seis dos sete agentes da PSP envolvidos na morte de uma mulher durante uma perseguição policial foram constituídos arguidos. Os agentes foram ouvidos durante a tarde desta quarta-feira pela Polícia Judiciária na qualidade de testemunhas e ao que adianta a TVI apenas um não foi constituído arguido.

A perseguição policial envolveu sete agentes – cinco deles, armados pistolas Glock, dispararam. Os outros dois estarão, ao que tudo indica, ilibados, já que um não disparou e o outro carregava uma caçadeira. Todas as armas estão agora na posse da Polícia Judiciária, que está a investigar o caso.

A bala que acabou por matar a mulher em questão vai ser fulcral na investigação, já que permite identificar o autor do disparo. A TVI avança que o projétil ficou no corpo da vítima e que a autópsia será feita em breve no Instituto de Medicina Legal de Lisboa.

Os agentes da Polícia de Segurança Pública (PSP) atingiram mortalmente a tiro uma mulher que confundiram como possível autora de um assalto a um multibanco, em Almada. O incidente aconteceu durante a madrugada, depois de uma perseguição policial em Lisboa que acabou por resultar na fuga dos dois suspeitos. O carro onde seguiam os autores do assalto já foi entretanto apreendido.

A informação foi avançada pelo Correio da Manhã e entretanto confirmada pelo Comando da PSP em comunicado. Eram 3h00 quando a PSP foi informada de um assalto a uma caixa multibanco, em Almada. Já em Lisboa, na zona da Segunda Circular, uma patrulha da PSP terá localizado um carro com as mesmas características do carro usado no assalto na Margem Sul. O carro foi perseguido, o condutor seguia a alta velocidade e em contramão , acabando por escapar na zona da rotunda do Relógio em direção ao aeroporto. Daqui os suspeitos abriram fogo contra a polícia, que os terá deixado escapar.

Já mais tarde, na zona da Encarnação, a PSP localizou uma viatura que achou tratar-se da mesma usada pelos suspeitos. O condutor deste carro desobedeceu à ordem de paragem, tentou atropelar os polícias e fugir. Nesta altura a PSP abriu fogo contra os suspeitos. Quando conseguiu deter o condutor, percebeu que não tinha carta de condução. E que, ao seu lado, estava uma mulher que tinha sido atingida com um projétil. A vítima ainda foi assistida no local, mas acabou por morrer.