Rádio Observador

CM Porto

Venda de edifício da Universidade do Porto divide Manuel Pizarro e Rui Moreira

248

O presidente da Câmara do Porto acusa o vereador socialista de ter uma "visão pró-centralista e populista" sobre a venda do antigo colégio Almeida Garrett.

© Pedro Granadeiro / Global Imagens

A compra de um edifício da Universidade do Porto pela empresa Real Douro está a dividir Rui Moreira e Manuel Pizarro. O vereador socialista defende que a autarquia deveria ter exercido o direito de preferência e comprado o antigo colégio Almeida Garrett, que foi vendido em hasta pública por 6,1 milhões de euros. Em comunicado, o movimento independente de Rui Moreira adjetiva a proposta de “populismo e demagogia”, com vista a “pressionar o presidente da Câmara Municipal do Porto a cumprir uma agenda pró-centralista”.

O movimento considera que a Universidade do Porto colocou o edifício à venda para, com o dinheiro arrecadado, “investir noutros edifícios de ensino superior na cidade, investimento esse que, dado o subfinanciamento a que está sujeita, não seria possível de outra forma“.

Por esse motivo, Rui Moreira considera que as declarações dos “três partidos de esquerda que compõem ou suportam o Governo”, PS, Bloco de Esquerda e CDU — que questionam porque é que a autarquia não exerceu o direito de preferência –, são como sugerir que a Câmara Municipal do Porto deveria substituir-se ao mercado e “pagar acima dos valores de avaliação”.

Ou seja, querem os partidos da esquerda que suportam o Governo e o PS que o compõe, que sejam os portuenses a pagar, com o seu orçamento local, aquilo que o Estado central entende não ter interesse e acorda colocar no mercado?”, questiona o movimento, que acusa Pizarro de querer que o município compre património “que as instituições públicas detidas pelo Estado decidem vender para mitigar o seu subfinanciamento“.

© Rita Neves Costa / foto cedida pelo jpn.up.pt

O movimento de Moreira questiona se, em vez de o PS/Porto, o PCP e o BE estarem a pedir à autarquia que compre o edifício, se não deveria estar a “exigir ao seu Governo que invista, isso sim, na Universidade do Porto“. E pergunta se, a seguir, Manuel Pizarro também vai defender “que deva ser a Câmara do Porto a adquirir as instalações da delegação da CMVM que o seu Governo decidiu esta semana encerrar no Porto, tudo concentrando em Lisboa?”.

A empresa Real Douro comprou o edifício e o terreno de 8.520 metros quadrados, situado na Praça Coronel Pacheco. À Lusa, adiantou esta quinta-feira que o projeto que ali pretendem desenvolver terá uma “função residencial”, e não um hotel, como sugeriu o Bloco de Esquerda. Em comunicado, os bloquistas recordam que, no final 2015, a Câmara do Porto anunciou a recuperação e ampliação do antigo colégio Almeida Garrett para instalação do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo e Saúde do Norte, a partir dos fundos comunitários destinados ao Plano de Ação de Regeneração Urbana.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira
756

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)