Rádio Observador

Web Summit

Governo estima impacto da Web Summit de 300 milhões de euros mas valor pode aumentar

425

A edição deste ano da cimeira de tecnologia e empreendedorismo Web Summit gerou um impacto de pelo menos 300 milhões de euros em áreas como hotelaria e transportes, estimou o Governo.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A edição deste ano da cimeira de tecnologia e empreendedorismo Web Summit gerou um impacto de pelo menos 300 milhões de euros em áreas como hotelaria e transportes, estimou hoje o Governo, admitindo um valor final superior.

Do ponto de vista de impacto direto, é estimado que, durante a semana da Web Summit, tenham sido gerados cerca de 300 milhões de euros, só nos serviços diretamente relacionados — hotelaria, transportes, entre outros”, disse a secretária de Estado da Indústria, Ana Teresa Lehmann, num balanço feito à agência Lusa.

De acordo com a governante, “o impacto real só poderá ser quantificado a médio prazo, porque este é um grande evento e tem repercussões duradouras, o que é excelente e, portanto, os 300 milhões de euros são uma subavaliação muito grande”.

Referindo-se a dados da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), falou num aumento de 20% na ocupação hoteleira nos dias do evento.

Segundo a organização da Web Summit, nesta segunda edição em Portugal participaram 59.115 pessoas de 170 países.

O evento decorreu entre 06 de novembro e 09 de novembro na zona do Parque das Nações.

Aludindo a “impactos mais qualitativos”, Ana Teresa Lehmann indicou ter observado “importantíssimos contactos […] neste enorme espaço de convergência entre empresas, investidores, ‘startups’, capitais de risco”.

A aposta do executivo foi a de promover “ligações entre ‘startups’ e grandes grupos e investidores”.

“As empresas com maior dimensão representam mercados imediatos aos quais as ‘startups’ podem vender os seus produtos e serviços”, enquanto estas companhias com potencial de crescimento rápido “não têm problemas de alguma rigidez que têm os grandes grupos e podem decidir mais rapidamente e são também mais facilmente disruptivas”, observou a responsável.

Ana Teresa Lehmann destacou ainda a “promoção da imagem de um Portugal moderno” através do evento, numa altura em que o país está “no mapa do empreendedorismo, da inovação e atração de investimento tecnológico”.

A cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Lisboa por três anos, com possibilidade de mais dois de permanência na capital portuguesa.

Questionada sobre este alargamento da permanência, a governante notou que “as condições que Lisboa tem são ótimas”.

“Vamos aguardar, a decisão não é nossa. Serão muito bem recebidos, se assim o entenderem”, acrescentou.

Certa é a edição de 2018, ano durante o qual o Governo pretende “fazer mais e melhor e capitalizar mais o evento”.

“Vamos ter um conjunto de iniciativas para que não seja só o grande evento em novembro, mas para que possamos ter ainda mais iniciativas durante o ano, de menor dimensão, mas também de grande relevância […] de divulgação da presença portuguesa”, referiu Ana Teresa Lehmann, aludindo a apostas na iniciativa já existente Road 2 Web Summit (que leva ‘startups’ nacionais à Web Summit) e à realização de eventos para aproximar estas empresas a investidores.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

Web Summit e provincianismo

Fernando Pinto Santos
118

Porque é a investigação académica tão desconsiderada em Portugal? Talvez porque moldes ou toalhas não sejam tão glamorosos como uma app com um nome estrangeiro numa conferência com o nome de Summit.

Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira
808

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)