Kim Jong-Un convidou o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, para um encontro em Pyongyang, capital da Coreia do Norte. O convite foi feito pela irmã mais nova do líder norte-coreano, Kim Yo Jong, que se encontra na Coreia do Sul a assistir aos Jogos Olímpicos de Inverno, revelou o porta-voz do governo sul-coreano, Kim Eui-kyeom.

Kim Yo Jong chegou à Coreia do Sul na sexta-feira, entre boatos de que iria convidar formalmente Moon Jae-in para visitar a Coreia do Norte ainda este ano. A irmã mais nova de Kim Jong-Un — o primeiro membro da dinastia Kim a visitar o país vizinho desde o fim da Guerra da Coreia — participou nesse dia na abertura oficial dos Jogos, que ficou marcada por um aperto de mão histórico com o líder sul-coreano, um sinal de aproximação entre os dois países. Na pista, os atletas das duas Coreias marcharam sob uma bandeira comum.

O vice-presidente dos Estados Unidos da América, Mike Pence, que lidera a comitiva norte-americana, também esteve na cerimónia de abertura. Porém, destoou do espírito de aproximação. Pence ficou sentado a poucos metros da irmã de  Kim Jong Un, mas não interagiu com a representante norte-coreana, informou este sábado a Casa Branca. O vice-presente assistiu à abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno na companhia do presidente sul-coreano e do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, sentados ao seu lado. A irmã de Kim Jong Un ficou na fila de trás do camarote de honra.

Este sábado, os dois participaram num encontro no palácio presidencial este sábado, no qual esteve também presente Kim Yong Nam, chefe da delegação norte-coreana. Segundo a informação divulgada por Seul, Kim Jong-Un mostrou-se disponível para se reunir com o presidente da Coreia do Sul o mais depressa possível. Moon Jae-in terá respondido que os dois países “devem” reunir-se depois de criadas “as condições certas”, sugerindo que a Coreia do Norte também deverá entrar em conversações com os Estados Unidos da América, refere a CNN.

Contudo, o país liderado por Kim Jong-Un não parece ter qualquer  interesse em iniciar um diálogo com o governo de Donald Trump. Jo Yong Sam, diretor-geral do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Coreia do Norte, deixou claro que os norte-coreanos nunca irão “implorar aos Estados Unidos por diálogo”, afastando a hipótese de um encontro durante os Jogos Olímpicos. “Não temos qualquer intenção de nos reunirmos com os Estados Unidos durante a nossa visita à Coreia do Sul”, referiu o responsável num comunicado divulgado pela agência de notícias KCNA, na quinta-feira.

O encontro, caso venha a acontecer (o convite ainda não foi formalmente aceite por Moon Jae-in), deverá decorrer no final deste ano e será o primeiro entre líderes das duas Coreias desde 2007. Foi nessa data que Kim Jong Il, pai do atual líder norte-coreano, se reuniu com o então presidente, Roh Moo-Hyun.