Rádio Observador

Estados Unidos da América

Revelados retratos oficiais de Barack e Michelle Obama

284

As pinturas vão estar expostas a partir de terça-feira na National Portrait Gallery, em Washington. Foram as primeiras a ser feitas por artistas afro-americanos.

Obama foi retratado por Kehinde Wiley e Michelle por Amy Sherald

AFP/Getty Images

Foram revelados esta segunda-feira os retratos oficiais de Barack e Michelle Obama. As pinturas, que vão ficar expostas a partir de terça-feira na National Portrait Gallery, em Washington, foram as primeiras a ser encomendadas a artistas afro-americanos e contrastam fortemente com os retratos mais conservadores de presidentes anteriores. A National Portrait, que pertence à rede de museus do Smithsonian, tem uma coleção de pinturas presidenciais e começou a encomendar retratos de presidentes a partir de George H.W. Bush.

Os pintores foram escolhidos pelo próprio casal, que olhou para o portefólio de cerca de duas dezenas de artistas antes de tomar uma decisão. Para o seu retrato, Obama escolheu Kehinde Wiley, um artista formado em Yale e conhecido pelas suas pinturas coloridas e de larga escala de afro-americanos. O processo de criação da obra foi um pouco diferente do habitual: em vez de ser feito ao vivo, o artista recorreu a centenas de fotografias que tirou do antigo presidente para fazer o retrato, explica a CNN.

(Mark Wilson/Getty Images)

“Tentei negociar menos cabelo cinzento mas a integridade artística do Kehinde não permitiu que ele fizesse o que pedi”, brincou Barack Obama, acrescentando que também tentou convencer o pintor a desenhar umas orelhas “mais pequenas”. “É uma honra estar aqui. Significa muito para mim”, disse Barack Obama, descrevendo o quadro como “extraordinário” e admitindo que foi uma “grande alegria” trabalhar com Kehinde Wiley.

Michelle Obama escolheu Amy Sherald, uma artista sediada em Baltimore cujos os quadros, de traço vincado, costumam conter referências à injustiça social. Durante a apresentação desta segunda-feira, Michelle explicou que escolheu Amy Sherald porque ficou impressionada com a ousadia do seu trabalho e pela sua paleta de cores. Descrevendo o seu retrato como “incrível”, a antiga primeira-dama admitiu estar  “emocionada” e “orgulhosa” por este fazer parte da coleção da National Portrait Gallery.

(SAUL LOEB/AFP/Getty Images)

Obama aproveitou a oportunidade para agradecer publicamente a Sherald: “Amy, queria agradecer-te por teres capturado de forma tão espetacular a graça, a beleza, a inteligência e o charme da mulher que amo”, disse o ex-presidente norte-americano, para o qual os dois retratos “desafiam as nossas ideias de poder e privilégio“, cita a CNN.

O retrato de Barack Obama vai ficar exposto na sala dos presidentes do museu, juntamente com as pinturas de George W. Bush, Bill Clinton ou John F. Kennedy. O quadro de Michelle Obama vai ficar em exposição numa outra sala.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)