Foram revelados esta segunda-feira os retratos oficiais de Barack e Michelle Obama. As pinturas, que vão ficar expostas a partir de terça-feira na National Portrait Gallery, em Washington, foram as primeiras a ser encomendadas a artistas afro-americanos e contrastam fortemente com os retratos mais conservadores de presidentes anteriores. A National Portrait, que pertence à rede de museus do Smithsonian, tem uma coleção de pinturas presidenciais e começou a encomendar retratos de presidentes a partir de George H.W. Bush.

Os pintores foram escolhidos pelo próprio casal, que olhou para o portefólio de cerca de duas dezenas de artistas antes de tomar uma decisão. Para o seu retrato, Obama escolheu Kehinde Wiley, um artista formado em Yale e conhecido pelas suas pinturas coloridas e de larga escala de afro-americanos. O processo de criação da obra foi um pouco diferente do habitual: em vez de ser feito ao vivo, o artista recorreu a centenas de fotografias que tirou do antigo presidente para fazer o retrato, explica a CNN.

(Mark Wilson/Getty Images)

“Tentei negociar menos cabelo cinzento mas a integridade artística do Kehinde não permitiu que ele fizesse o que pedi”, brincou Barack Obama, acrescentando que também tentou convencer o pintor a desenhar umas orelhas “mais pequenas”. “É uma honra estar aqui. Significa muito para mim”, disse Barack Obama, descrevendo o quadro como “extraordinário” e admitindo que foi uma “grande alegria” trabalhar com Kehinde Wiley.

Michelle Obama escolheu Amy Sherald, uma artista sediada em Baltimore cujos os quadros, de traço vincado, costumam conter referências à injustiça social. Durante a apresentação desta segunda-feira, Michelle explicou que escolheu Amy Sherald porque ficou impressionada com a ousadia do seu trabalho e pela sua paleta de cores. Descrevendo o seu retrato como “incrível”, a antiga primeira-dama admitiu estar  “emocionada” e “orgulhosa” por este fazer parte da coleção da National Portrait Gallery.

(SAUL LOEB/AFP/Getty Images)

Obama aproveitou a oportunidade para agradecer publicamente a Sherald: “Amy, queria agradecer-te por teres capturado de forma tão espetacular a graça, a beleza, a inteligência e o charme da mulher que amo”, disse o ex-presidente norte-americano, para o qual os dois retratos “desafiam as nossas ideias de poder e privilégio“, cita a CNN.

O retrato de Barack Obama vai ficar exposto na sala dos presidentes do museu, juntamente com as pinturas de George W. Bush, Bill Clinton ou John F. Kennedy. O quadro de Michelle Obama vai ficar em exposição numa outra sala.