A Direção-Geral da Saúde (DGS) recomendou esta sexta-feira aos portugueses que se vacinem contra o sarampo, lembrando que é a “melhor forma” de evitar esta doença contagiosa, que pode ser grave e até mortal. “Aproxima-se a primavera e o verão, período em que os movimentos internacionais de cidadãos são mais intensos e o risco de contrair a doença é maior”, afirma a DGS em comunicado. Como “o sarampo é um risco para a saúde”, a entidade recomenda aos portugueses que verifiquem o boletim de vacinas e se vacinem caso seja necessário.

Segundo o esquema vacinal recomendado no Programa Nacional de Vacinação, a primeira dose de vacina VASPR (sarampo, papeira e rubéola) deve ser tomada aos 12 meses de idade e a segunda aos cinco anos. A vacina também é recomendada para os adultos nascidos em 1970 ou depois, que nunca tiveram a doença nem foram vacinados contra o sarampo.

A DGS recorda que foram notificados na Europa, em 2017, mais de 14 mil casos de sarampo, triplicando o número de casos registados no ano anterior. Relembra ainda que, em 2017, se verificaram, a partir de dois casos importados de outros países, dois surtos de sarampo em Portugal, registando-se 27 casos confirmados e um falecimento.

Sarampo provocou 35 mortes na região europeia só no ano passado

“As pessoas não protegidas pela vacinação correm maior risco de contraírem sarampo através do contacto com pessoas doentes ou em período de incubação da doença, provenientes de outros países”, sublinha a DGS.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Quem for viajar, poderá necessitar de doses adicionais de vacina pelo que deve contactar a sua unidade de saúde ou consultar o seu médico assistente, adianta. A Direção-Geral da Saúde lembra que “o sarampo é uma das doenças infecciosas mais contagiosas podendo provocar doença grave ou mesmo a morte”.

Atualmente, em alguns países europeus, continuam a verificar-se surtos de sarampo, em crianças e adultos, adverte, realçando que “a vacinação continua a ser a melhor forma de evitar o sarampo”. A vacinação contra o sarampo é efetuada, gratuitamente, nas unidades de saúde do Serviço Nacional de Saúde. Em caso de dúvidas, as pessoas podem contactar o SNS 24 através do número 808 24 24 24.