Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

António Costa e Rui Rio estiveram reunidos esta semana em São Bento para negociar possíveis acordos entre o Governo e o PSD e preparam-se agora para resolver diferendos sobre matérias como os fundos comunitários e descentralização em tempo recorde. Segundo o jornal Expresso, Costa não quer avançar prazos, com o Executivo a defender apenas um entendimento “o mais célere possível”, mas o mais certo é que estas matérias estejam resolvidas até ao verão.

A discussão dos fundos comunitários tem prazos definidos, já que a reprogramação do quadro de fundos do Portugal 2020 tem de ser apresentada até ao final do próximo mês. E, para o ciclo de apoios europeus seguintes, será necessário PS e PSD entenderem-se antes de maio, quando a Comissão Europeia apresenta as suas propostas do Quadro Financeiro Plurianual. Para além disso, fontes do Governo ouvidas pelo semanário declaram que um acordo sobre a descentralização pode ser conseguido ainda durante este mandato: “Tem boas condições para avançar”, resume outra fonte da equipa de Costa.

Rio enfrenta atualmente problemas internos, depois de a sua bancada ter eleito Fernando Negrão como líder parlamentar com menos de metade dos votos, mas tal não parece desviar o líder recém-eleito do rumo que predefiniu. Ao Público, fontes da nova direção garantiram que o líder do PSD quer “fazer uma ruptura com o passado próximo” e está tão disposto a negociar com os socialistas que admite fazê-lo sem o apoio dos deputados: “Se for preciso Rui Rio conduzirá a sua estratégia de entendimento com o PS para levar a cabo reformas no país fora do Parlamento, através dos grupos de trabalho que vão negociar com o PS a descentralização e fundos estruturais do Portugal 2030”.

Costa e Rio parece estarem a entender-se tão bem que chegam inclusivamente a aflorar entendimentos sobre matérias mais complexas como Justiça, Segurança Social e reforma do Estado. De acordo com o Expresso, na reunião dos dois líderes, esta semana, esses foram temas abordados. Embora conscientes de que a complexidade dos dossiês pode levá-los a transitar para a próxima legislatura, Costa e Rio parecem estar de acordo de que um entendimento a longo-prazo nestas matérias é possível.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR