A Toyota revelou em Genebra o Auris, a terceira geração do modelo que disputa o segmento C, o mais importante do mercado europeu. Partilha a plataforma com o Prius e o C-HR, o que lhe permite crescer em comprimento e largura, reivindicando ainda uma generosa – e maior – distância entre eixos, que aumenta em cerca de 4 centímetros.

Para já, a exposição que nestes dias agita a cidade suíça teve apenas o direito de mostrar o exterior do Auris, com o modelo a guardar o habitáculo para o Salão de Paris, em Outubro. A chegada ao nosso país, bem como à maioria dos mercados do Velho Continente terá lugar no primeiro trimestre de 2019.

O recurso à plataforma da marca japonesa, conhecida como Toyota New Global Architecture, permite-lhe usufruir de ganhos via sinergias, bem como adoptar mais facilmente as mecânicas do grupo. Talvez por isso, o novo Auris apresenta-se com dois motores híbridos, um mais calmo e virado para os consumos reduzidos, o 1.8 de 122 cv herdado do Prius. Para os clientes mais exigentes, o construtor nipónico passa a propor o novo híbrido 2.0 de 180 cv, cujas características mais desportivas se destacam desde logo por possuir patilhas junto ao volante para comandar a caixa de velocidades. De realçar que este 2.0 se assume como o mais eficaz do mercado, sob o ponto de vista energético, garantindo 41% de eficiência.

Segundo o responsável pelo estilo da Toyota, Simon Humphries, o “novo Auris explora na totalidade o baixo centro de gravidade assegurado pela nova plataforma, para propor um veículo leve e de aspecto ágil, quando visto de lado, que se torna possante se apreciado de traseira ou de frente, graças à maior largura, trunfos que são importantes para os clientes europeus”.

Além dos dois motores híbridos, o Auris vai montar a unidade 1.2 Turbo, a gasolina, pois os diesel foram banidos por completo neste segmento, nem estando previstos para nenhum modelo que recorra a esta plataforma.