Brexit

“O Brexit nunca teria acontecido sem a Cambridge Analytica”, revela ex-funcionário

175

Mais de 50 milhões de perfis ajudaram a campanha de Donald Trump, mas a Cambridge Analytica também teve um papel ativo na campanha do Brexit pela saída do Reino Unido da União Europeia.

A Cambridge Analytica é uma empresa irmã da aggregateIQ

ANDY RAIN/EPA

A 23 de junho de 2016, mais de 17 milhões de britânicos [17,410,742] votaram a favor da saída do Reino Unido da União Europeia. Num referendo que teve 72,21% de participação, cerca de 16 milhões de britânicos [16,141,241] disseram o contrário. Para Christopher Wylie, o homem que denunciou a história da Cambridge Analytica, “o Brexit nunca teria acontecido sem a Cambridge Analytica” (disse o ex-funcionário da empresa em entrevista ao El País). Mas porquê?

O ex-colaborador da polémica empresa de análise de dados diz que ajudou Donald Trump a vencer as eleições com dados de mais de 50 milhões de perfis de Facebook. Este sábado, o The Observer divulgou que Shahmir Sanni, um britânico eurocético que foi voluntário de uma associação pró-Brexit, foi usado como testa de ferro pela associação “BeLeave” para canalizar dinheiro para a canadiana aggregateIQ, uma empresa criada pelo grupo SCL (o mesmo grupo que detém a Cambridge Analytica).

A notícia já não é nova. Em maio de 2017, o The Observer juntava os pontos e avançava as ligações entre as empresas. Até à data de divulgação da história, a aggregateIQ estava referenciada como “SCL Canada” (quando questionada por jornalistas em 2017, o nome foi alterado).

A lei eleitoral britânica impõe um limite de doações. Por isso a Vote Leave, a maior organização de apoio à saída do Reino Unido da UE, criou a BeLeave. Segundo Shamir, que tinha 22 anos quando foi desafiado a ser voluntário na organização desta segunda associação, receberam apenas uma doação, da Vote Leave, de 625 mil libras (cerca de 715 mil euros). Maior parte desta doação foi para a aggregateIQ, que recebeu ao longo da campanha cerca de um terço de todo o orçamento da Vote Leave.

Esta doação pode mostrar que a “Vote Leave” utilizou um esquema ilegal para ultrapassar os limites permitidos por lei. Segundo disse Shamir à mesma publicação, não é por ser a favor da saída do Reino Unido da UE que não ia contar a história: “Não fazemos batota, somos britânicos”. O eurocético afirma ainda que a associação partilhava escritórios com a Vote Leave. Christopher Wylie, que foi um dos responsáveis por criar as duas empresas, afirma que aggregateIQ estava a funcionar como um “departamento interno da Cambridge Analytica” durante o Brexit.

O que fazia a aggregateIQ?

A aggregateIQ é uma empresa canadiana de análise de dados como a Cambridge Analytica. Christopher Wylie ajudou a criar as duas. É graças à fórmula que criou para anúncios específicos que, atendendo aos interesses dos utilizadores em redes sociais como o Facebook, começou a polémica em torno da Cambridge Analytica. Esta relação existe porque os responsáveis por esta filial do grupo SCL eram amigos de Wylie, que também é canadiano.

Esta empresa de análise de dados fez para o Vote Leave o mesmo que a Cambrigde Analytica fez nas eleições americanas para o partido republicano. Através dos dados que recolheu de perfis de redes sociais, com maior enfoque no Facebook, criou publicidade específica para alterar ou tentar definir o sentido de voto dos utilizadores.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)