Brexit

“O Brexit nunca teria acontecido sem a Cambridge Analytica”, revela ex-funcionário

175

Mais de 50 milhões de perfis ajudaram a campanha de Donald Trump, mas a Cambridge Analytica também teve um papel ativo na campanha do Brexit pela saída do Reino Unido da União Europeia.

A Cambridge Analytica é uma empresa irmã da aggregateIQ

ANDY RAIN/EPA

A 23 de junho de 2016, mais de 17 milhões de britânicos [17,410,742] votaram a favor da saída do Reino Unido da União Europeia. Num referendo que teve 72,21% de participação, cerca de 16 milhões de britânicos [16,141,241] disseram o contrário. Para Christopher Wylie, o homem que denunciou a história da Cambridge Analytica, “o Brexit nunca teria acontecido sem a Cambridge Analytica” (disse o ex-funcionário da empresa em entrevista ao El País). Mas porquê?

O ex-colaborador da polémica empresa de análise de dados diz que ajudou Donald Trump a vencer as eleições com dados de mais de 50 milhões de perfis de Facebook. Este sábado, o The Observer divulgou que Shahmir Sanni, um britânico eurocético que foi voluntário de uma associação pró-Brexit, foi usado como testa de ferro pela associação “BeLeave” para canalizar dinheiro para a canadiana aggregateIQ, uma empresa criada pelo grupo SCL (o mesmo grupo que detém a Cambridge Analytica).

A notícia já não é nova. Em maio de 2017, o The Observer juntava os pontos e avançava as ligações entre as empresas. Até à data de divulgação da história, a aggregateIQ estava referenciada como “SCL Canada” (quando questionada por jornalistas em 2017, o nome foi alterado).

A lei eleitoral britânica impõe um limite de doações. Por isso a Vote Leave, a maior organização de apoio à saída do Reino Unido da UE, criou a BeLeave. Segundo Shamir, que tinha 22 anos quando foi desafiado a ser voluntário na organização desta segunda associação, receberam apenas uma doação, da Vote Leave, de 625 mil libras (cerca de 715 mil euros). Maior parte desta doação foi para a aggregateIQ, que recebeu ao longo da campanha cerca de um terço de todo o orçamento da Vote Leave.

Esta doação pode mostrar que a “Vote Leave” utilizou um esquema ilegal para ultrapassar os limites permitidos por lei. Segundo disse Shamir à mesma publicação, não é por ser a favor da saída do Reino Unido da UE que não ia contar a história: “Não fazemos batota, somos britânicos”. O eurocético afirma ainda que a associação partilhava escritórios com a Vote Leave. Christopher Wylie, que foi um dos responsáveis por criar as duas empresas, afirma que aggregateIQ estava a funcionar como um “departamento interno da Cambridge Analytica” durante o Brexit.

O que fazia a aggregateIQ?

A aggregateIQ é uma empresa canadiana de análise de dados como a Cambridge Analytica. Christopher Wylie ajudou a criar as duas. É graças à fórmula que criou para anúncios específicos que, atendendo aos interesses dos utilizadores em redes sociais como o Facebook, começou a polémica em torno da Cambridge Analytica. Esta relação existe porque os responsáveis por esta filial do grupo SCL eram amigos de Wylie, que também é canadiano.

Esta empresa de análise de dados fez para o Vote Leave o mesmo que a Cambrigde Analytica fez nas eleições americanas para o partido republicano. Através dos dados que recolheu de perfis de redes sociais, com maior enfoque no Facebook, criou publicidade específica para alterar ou tentar definir o sentido de voto dos utilizadores.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site