Rádio Observador

Rússia

Mais de 40 crianças morreram no incêndio em centro comercial russo

O incêndio que, segundo Putin, se deveu a "negligência criminosa e falta de cuidado", terá provocado a morte de 41 crianças. Habitantes de Kemerovo pedem justiça.

O fogo começou numa das salas de cinema do centro comercial

AFP/Getty Images

O incêndio que deflagrou este domingo num centro comercial na localidade de Kemerovo, na Rússia, terá provocado a morte de 41 crianças, de acordo com uma lista disponível num centro de apoio, consultada pela agência Interfax. Os últimos dados avançados pelo Ministério da Saúde russo referiam que, até ao momento, tinham sido identificadas 25 das 64 vítimas, 13 das quais seriam crianças.

A identificação de todas as vítimas pode, contudo, vir a demorar até duas semanas. Alexander Bastrykin, responsável pelo comité de investigação russo, adiantou à TASS que existem 37 vítimas que precisam de submetidas a um exame de ADN já que não é possível fazer o seu reconhecimento de outra forma. Ao todo, já foram libertados 21 corpos.

Nas redes sociais, contudo, começaram a circular boatos de que o número de vítimas é muito superior ao divulgado, o que levou a que centenas de pessoas se reunissem esta terça-feira junto à sede do governo em Kemerovo para pedir a demissão dos responsáveis pela investigação. Vladimir Putin, de visita à localidade, apelou aos habitantes que não confiem nas informações divulgadas através da Internet, salientando que não existem razões para duvidar do papel das autoridades na investigação. “Os culpados serão punidos, não tenham dúvidas disso”, disse o presidente, citado pela Interfax.

O fogo que consumiu o centro comercial Zimnyaya Vishnya, em Kemerovo, na Sibéria, começou numa das salas de cinema do quarto e último andar, alastrando-se depois a todas as áreas do edifício. Os bombeiros demoraram mais de seis horas a controlar as chamas, que consumiram uma área total de 1.500 metros quadrados. O centro comercial, muito frequentado por famílias, estava cheio. Além das 64 vítimas mortais, o fogo provocou 60 feridos.

Putin: incêndio deveu-se a “negligência criminosa e falta de cuidado”

Investigações iniciais indicam que o alarme anti-incêndios não estava a funcionar desde 19 de março e que ainda não tinham sido tomadas medidas para o consertar. Além disso, segundo Alexander Bastrykin, o segurança não alertou as autoridades quando o fogo começou. “Não temos uma explicação razoável para o que se passou”, disse o responsável. “Ele parece inexperiente.” As portas de emergência também não estavam a funcionar.

Quatro pessoas foram detidas depois da descoberta de “violações sérias”. Vladimir Putin, que visitou esta terça-feira um memorial em honra das vítimas do incêndio, classificou o incidente como “uma tragédia terrível”, defendendo que se deveu a “negligência criminosa”. “O que é que se passou aqui? Não se tratou de uma situação de combate, não se tratou de uma inesperada explosão de gás metano numa mina”, afirmou o presidente russo, que se encontrou com os familiares das vítimas. “Porque é que morreu tanta gente? Por causa de negligência criminosa e falta de cuidado.”

Artigo atualizado às 10h46 com a manifestação em Kemerovo

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)