O momento era de celebrar a passagem à final. A israelita Netta Barzilai não era apenas uma das favoritas para a primeira semifinal do Festival Eurovisão da Canção 2018, é também uma das grandes candidatas à vitória nesta edição, que acontece em Lisboa devido à vitória de Salvador e Luísa Sobral em Kiev, em 2017. Numa hora feliz — a da conferência de imprensa que se seguiu à primeira meia-final –, surgiu um tema que não lhe traz boas memórias: o bullying.

A concorrente foi alvo de bullying quando nova, já o admitiu e, na sala que juntou dez dos primeiros 16 finalistas (Portugal, Itália, Alemanha, França, Reino Unido e Espanha apuraram-se diretamente), foi confrontada com uma pergunta de um jornalista: o que diria à jovem Netta que sofria de bullying? “Diria que vai correr tudo bem”, começou por dizer, visivelmente emocionada.

Isso fez de mim quem eu sou. Sim, passei por momentos difíceis. Gostaria de dizer uma coisa: gostava que o bullying acabasse. É bastante óbvio que está a estragar a vida de muitas pessoas. Tive pais fantásticos que sempre me apoiaram, portanto tive sorte — mas muitas pessoas não têm as ferramentas necessárias para lidar com o bullying.”

Reiterando que é importante que as pessoas “gostem de si e dos outros”, a cantora que interpreta o tema “Toy” e que tem dividido com Eleni Foureira (Chipre) o favoritismo nas casas de apostas internacionais, respondeu ainda a uma pergunta sobre a “pressão” que poderia sentir com esse estatuto visando algumas das críticas feitas à sua música: “Na verdade, somos nós que decidimos o que queremos fazer, se queremos viver numa mentira em que é possível compararmos géneros musicais diferentes ou se queremos (…) celebrar a diversidade e o facto de estarmos aqui sentados com tantos músicos fantásticos.”

[A atuação de Netta na semifinal desta terça-feira:]

A cantora disse “não se importar” quer com as críticas quer com a pressão de ganhar: “Quero fazer um grande trabalho, inspirar tanta gente quanto possível e chegar a tantos corações quantos conseguir. Se o conseguir fazer, para mim já venci”. Além de Netta, apuraram-se para a final os concorrentes Eleni Foureira (Chipre), Elina Nechayeva (Estónia), Cesár Sampson (Áustria), Ieva Zasimauskaitė (Lituânia), Mikolas Josef (República Checa), EQUINOX (Bulgária), Eugent Bushpepa (Albânia), Saara Aalto (Finlândia) e Ryan O’Shaughnessy (Irlanda). França, Espanha, Alemanha, Reino Unido, Itália e Portugal apuraram-se diretamente.