Rádio Observador

Língua Portuguesa

Docentes do Ensino do Português no Estrangeiro alertam Presidente da República para dificuldades e injustiças

Os docentes do Ensino do Português no Estrangeiro alertaram esta sexta-feira para dificuldades e "injustiças" no desempenho da função e discordâncias quanto a regras em vigor desde 2010.

NUNO VEIGA/LUSA

Os docentes do Ensino do Português no Estrangeiro alertaram esta sexta-feira para dificuldades e “injustiças” no desempenho da função e discordâncias quanto a regras em vigor desde 2010. Numa carta aberta enviada ao Presidente da República e divulgada pelo Sindicato dos Professores nas Comunidades Lusíadas (SPCL), sustentam que “os problemas e injustiças com que os professores em Portugal se debatem atingem também os docentes do Ensino Português no Estrangeiro (EPE), aqueles professores que, em vários países da Europa e na África do Sul, ensinam língua e cultura portuguesas aos filhos dos trabalhadores portugueses”.

“Desde 2010, o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, que então assumiu a tutela do EPE, entendeu retirar a possibilidade de aprender e ensinar português como língua materna ou de origem, permitindo unicamente a vertente do português língua estrangeira, com manuais de caráter obrigatório e um processo de certificação destituído de importância real, pois unicamente atesta o nível de conhecimentos dos alunos como estrangeiros aprendentes do português”, referem. Para o sindicato, “os alunos, em grande maioria, não são estrangeiros”.

“São as crianças e jovens filhos dos trabalhadores portugueses nas comunidades, que se orgulham da sua ascendência, da sua cultura e da sua língua de origem, que não desejam estudar como se fossem estrangeiros, mas sim como portugueses residentes fora do território nacional”, sublinhou o documento. Para além da “incompreensível imposição de poder apenas aprender português como língua estrangeira”, também à maior parte dos lusodescendentes é “imposto o pagamento da taxa de frequência, ‘a propina’, da qual os alunos estrangeiros, que também frequentam os cursos de português, se encontram isentos”.

“Para os alunos estrangeiros e um reduzido número de portugueses, há aulas gratuitas, com professores remunerados pelo Estado português, mas à maioria dos filhos dos trabalhadores portugueses no estrangeiro é exigido o pagamento da vergonhosa propina, como se fossem indivíduos inferiores, que só pudessem ter as aulas da sua língua a cultura de origem previstas na nossa Constituição após contribuição monetária”, avaliou o sindicato.

De acordo com a nota, perante as críticas SPCL e várias outras entidades sobre esta incrível discriminação, escusam-se geralmente os responsáveis mencionando “acordos” com entidades locais. “Ex.mo Sr. Presidente, sobre esse assunto apenas há a dizer que tais ‘acordos’ não valem sequer o papel onde estão escritos, pois dão a primazia a estrangeiros em detrimento dos portugueses”, sublinhou o sindicato na carta.

O SPCL diz que aos professores do EPE “a atual tutela cada vez mais nega direitos inerentes a qualquer docente em Portugal”, referindo situações como o ser vedada, a professoras “a recuperação das férias suspensas pela licença de maternidade, sendo obrigadas a fazê-lo durante as interrupções letivas, durante as quais, como é sabido, os professores se encontram ao serviço”.

“Os professores do EPE são também discriminados negativamente no que respeita a um dos seus direitos básicos, nomeadamente o de se poderem candidatar a lugares docentes nas escolas em Portugal. Este é um direito importantíssimo, pois no EPE não existe carreira, sendo as colocações precárias e dependentes do número de alunos, que continua a diminuir sensivelmente”, indicou. Concluem os docentes que é “esta a situação real. No EPE, os lusodescendentes estão em situação de inferioridade relativamente aos alunos estrangeiros”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)